Os Tornados regressam com o EP “Dinamite!” a 6 de Junho!

O Porto não é só a cidade desse clube que nos últimos 30 anos arrebata títulos entre nós.

O Porto é também o berço de um sentimento muito próprio, feito de resistência e autonomia, de orgulho e simplicidade, de militância e frontalidade, de humor e sobriedade, de tradição e modernidade, a que Os Tornados dão corpo duma forma perfeita.

Longe dos centros de decisão e das modas nascidas nas festas de uns e outros, Os Tornados teimam em nos deixar desarmados com a sua música incisiva e genuína.

No seu álbum de estreia, “Twist do contrabando”, procuraram o apoio de uma editora para conseguirem levar a irreverência ao maior número de pessoas. Deram nas vistas. Deixaram alguns deliciados, outros confusos – quem são estes cromos de fatinho a tocarem o mais puro rock’n’roll regional como se não houvesse amanhã? – outros ainda cépticos, não estivéssemos nós no século XXI, a construir o futuro através da clonagem desse passado chamado “eighties” (ser retro não está a dar…).

De repente, a tão aclamada independência parecia estar no código genético destes nortenhos de gema, com editora e tudo.

É esse grito de independência (porque ser verdadeiramente independente implica ser um não alinhado…) que Os Tornados dão com “Dinamite”, o EP que marca a estreia do seu próprio selo “Bronca! Discos”.

Porque a sua música é só e apenas uma extensão das suas mais alucinantes paixões, aqui está o rock’n’roll dos sessenta, sem artifícios, ora mais próximo do surf, ora piscando o olho aos rhythm’n’blues, desta vez com a bateria mais à frente e com um bocadinho de fuzz, repartido por três novas canções e um instrumental.

Porque cada vez se faz menos para se ouvir música, aqui estão Os Tornados a dizer-nos que quem anda na net a pode levar de borla ou quem, como eles, não consegue viver sem ela, a pode comprar num vinil de sete polegadas e pensar sempre que o põe no gira-discos: “agora vou ouvir o Dinamite!”.

Os Tornados não gozam do apoio de qualquer banco ou empresa de telecomunicações (um apoio em géneros duma marca de cerveja seria bem-vindo!), mas de algumas dezenas de pequenos comerciantes locais – de frutarias a cabeleireiros, de cafés a lojas de roupa, de talhos a floristas – cujos patrocínios, a exemplo do que se faz nas festas de inúmeras paróquias por esse país fora, ajudaram ao arranque desta “Bronca”.

“Dinamite!” mostra Os Tornados no seu melhor porque é acima de tudo um disco honesto, independente e um manifesto de prazer…



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This