UMA BIZARRA SALADA NO SÃO LUIZ

A fechar a temporada, o São Luiz volta a marcar presença no Festival de Almada com mais uma criação, “Uma Bizarra Salada”, uma co-produção com a Metropolitana e com o Festival de Almada. A participação no Festival de Almada faz-se assim com o encontro da Orquestra Metropolitana, Bruno Nogueira e Luísa Cruz, sob os olhares atentos de Beatriz Batarda e Cesário Costa, no reensaio de alguns dos textos de Karl2 Valentin onde se aproveita a metáfora da orquestra – corpo social complexo, mais problemático do que parece2 quando visto de fora – para questionar o mundo e as suas perplexidades. De 15 a 17 de Julho, sexta e sábado às 21h e domingo às 18h30, na Sala Principal.

Um concerto onde as palavras irrompem? Um espectáculo de teatro em que a personagem principal é uma orquestra? Um recital absurdo onde dois comediantes improváveis estilhaçam a ideia simples de construir um espectáculo didáctico? Ninguém sabe. É Uma Bizarra Salada!

SOBRE UMA BIZARRA SALADA

Uma Bizarra Salada conta com seis dos sketches escritos por Karl Valentin, traduzidos para o português nos finais dos anos 70, e publicados pela Cotovia no ano 2000. Os textos escolhidos fizeram parte de um espectáculo chamado E Não se Pode Exterminá-lo?, encenado por Jorge Silva Melo no Teatro da Cornucópia em 1979 e filmados para RTP em cinco episódios por Solveig Nordlund.

São textos que reflectem o período de crise financeira profunda vivida na Europa antes da Segunda Grande Guerra. Infelizmente muito a propósito do momento que vivemos actualmente, surgiu-nos como uma oportunidade pertinente voltar a trazer Karl Valentin à cena e juntar a Orquestra Metropolitana ao teatro do absurdo através da participação de Bruno Nogueira e Luísa Cruz. O humor e a sátira adoptaram as formas mais diversas dependendo dos seus autores e épocas, podendo ser triste, solitário, poético, feérico, filosófico, critico, absurdo ou surrealista. Neste espectáculo vivem-se momentos absurdos e podemos reconhecer a frustração do boicote provocado pelos outros ou por nós próprios.

O primeiro sketch apresentado será a “Fanfarra” interpretado por Luísa Cruz no papel de Maestro, Bruno Nogueira no papel de Karl Valentin, e a Orquestra Metropolitana.

Em seguida a Orquestra tocará uma peça musical dirigida pelo Maestro Cesário Costa.

Depois seguem-se 5 sketches a solo: “A Bizarra Salada” (por Bruno Nogueira) com acompanhamento improvisado da Orquestra; a “Carta de Amor” (por Luísa Cruz) acompanhada de uma passagem da abertura da peça “Poetas e Aldeões” de Franz von Suppé; “Coplas Chinas” (por Luísa Cruz) em versão cantada sob uma adaptação de um tema de Kurt Weill; “Aquário” (por Bruno Nogueira) e finalmente “Karl Canta e Ri-se” (por Bruno Nogueira) com tema composto por Paulo Brandão para o espectáculo “E Não se Pode Exterminá-lo?”.

Direcção musical Cesário Costa
Direcção e espaço cénico Beatriz Batarda
Assistência ao espaço cénico David Paredes
Desenho de luz Nuno Meira
Interpretação Bruno Nogueira e Luísa Cruz com Metropolitana
Participação especial Beatriz Batarda

Co-produção SLTM ~ Metropolitana ~ Festival de Almada

PREÇÁRIO €10 a €20 com os habituais descontos SLTM.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This