rdb_PenicosPrata_thumb

Convites duplos – “Penicos de Prata” – Teatro Aberto

Quais os intrumentos utilizados pelos Penicos de Prata?



5 CONVITES DUPLOS A APRESENTAÇÃO DO CD/LIVRO “PENICOS DE PRATA” DIA 11 DE NOVEMBRO (SEGUNDA-FEIRA), 19:00 NO TEATRO ABERTO




Sobre

O quarteto Penicos de Prata irá apresentar dia 11 de Novembro de 2013 no teatro Aberto em Lisboa às 19h e às 21h30 o Livro CD com antologia de poesia erótica e satírica Portuguesa.

António Botto, Carlos Queirós, Ernesto Manuel de Melo e Castro, Liberto Cruz, Ana Abel-Paúl, Francisco Eugénio dos Santos Tavares, António Maria Eusébio (O Calafate), José Anselmo Correia Henriques, João Vicente Pimentel Maldonado e Fernando Pessoa escrevem os poemas . Liberto Cruz também escreve o prefácio.

José Grazina, Rui Silvares, Teresa Silva, António Jorge Gonçalves, Bárbara Assis Pacheco, Luis Manuel Gaspar, João Lima, Paulo Capelo Cardoso, Paulo Araújo e António Viana Ilustram as canções.

João Lima, na Guitarra Portuguesa e voz, Gonçalo Santos, na percussão, os cantores Catarina Molder e Rui Baeta, aquele arranjo de Tiago Derriça e a participação especial de Victor de Sousa, temperam uma ou outra música.

PENICOS DE PRATA é um quarteto de cordas formado por ukulele, guitarra, violoncelo e contrabaixo: Catarina Santana, André Louro, João Paes e Eduardo Jordão , que convidam a ouvir e ver o resultado ao vivo numa das duas sessões de dia 11 de novembro, no Teatro Aberto.

Nos dias de hoje, em que o consumo rápido de programas de entretenimento e de produtos ditos culturais não passam de leviandades e palavras de pacotilha, a poesia é vista e conotada como uma arte intelectual elitista em que só meia dúzia de bem falantes a consomem. O tempo que passa rápido, o zapping mal disposto, o autocarro e o metropolitano de horários atrasados deixam pouca disposição e pouca motivação para o deleite do belo e do consolo através da poesia. Esta, contudo, tem uma tendência própria para se esconder, para ser menos vendável por editores, para ser dita (ou papagueada) em locais escusos, para não estar nos escaparates das grandes superfícies comerciais, para escudar-se em Pessoa, Camões e mais outra meia dúzia de poetas mais conhecidos ou do curricula escolar. De mais poetas, uns melhores, outros de mais imprecisão, o historial poético português é composto.

Os Penicos de Prata comprometem-se a partilhar património poético erótico português, provocando reacções, desafiando emoções. A música dos Penicos de Prata acompanha cada palavra, cada poema, cada poeta. A composição não é resultado da matemática exacta das notas nem da relação de intervalos em tempo certo, melódico, tonal e até banal: é a mancha sonora que o E. M. de Melo e Castro nos indicou no seu Ar Recticulado, é a rudeza e clareza do António Botto que sem papas, põe tudo a nu, é a elegancia de Liberto Cruz que seduz a cada palavra. E claro, são uns Penicos de uma geração finalmente embalada pela qualidade e o prazer de se ser português, sem vergonha nem orgulho. Cresceram a ouvir pauliteiros, adufes, polifonias minhotas e alentejanas, a tocar repertório de José Afonso, António Pinho Vargas ou Emanuel Nunes. Carlos Seixas ou Victorino d’Almeida também fazem parte do menu. Tantos outros, sem esquecer o Bach, Zappa e afins, que compõem este mundo, o nosso, visto de uma janela portuguesa.

Regras:

– Os vencedores devem levantar os convites na bilheteira até às 18:30.
– O levantamento deve ser efectuado pelo próprio vencedor, o prémio é pessoal e intransmissível
– Devem enviar-nos os seguintes dados: Nome e BI (para além da resposta)

Se tiveres problemas a participar no passatempo elimina os cookies e o histórico de navegação do teu browser e tenta de novo fazer o login. Se não funcionar envia a tua participação para passatempos@ruadebaixo.com. Indica no e-mail o teu username.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This