fantasma-da-opera-header2

Phantom of the Disco Ball

Christine e Raoul a dançarem Tango, um baile de máscaras que se transforma numa verdadeira festa dos anos 70. O novo fantasma que traz uma história de amor vitoriana até um presente mais ousado.

“Ideas at 3am usually involve some craziness, but this was one that needed a lot of it”. Kevin Saunders Hayes estava num grande armazém à procura de roupa interior a meio da noite quando um letreiro que dizia “Silent Movies 1$” lhe captou a atenção. Essa casualidade foi o começar de uma ideia que se traduziu na criação da companhia Vox Lumiere. Agora, com vários espectáculos – entre eles “Metropolis” e “O Corcunda de Notre Dame” – é com “O Fantasma da Ópera” que a Vox Lumiere se estreia numa digressão Europeia.

Num grande ecrã de fundo surgem imagens d’O Fantasma da Ópera de Gaston Leroux, datado de 1925. Enquanto o filme mudo surge como cenário, os intérpretes tomam o palco numa versão vitoriana moderna, mais ousada e com um toque de punk. A banda, com um baterista e um guitarrista, acompanha-os enquanto cantam e dançam, sendo que os estilos de dança são tão distintos como tango e disco. A coreografia, a cargo de Trance Thompson, pretende captar a emoção das cenas clássicas, adaptando-as no entanto à realidade actual.

Quem está à espera de ver um Fantasma clássico pode sair desapontado. Esta é uma versão mais nua, em que o único cenário parte das imagens mudas, e que ganha pela dicotomia entre o antigo e o contemporâneo, o decoro e a ousadia, a ausência da palavra e as fortes vozes de Christine e Erik, o Fantasma. Embora o choque entre a música, a dança e a imagética clássica possa, por vezes, tornar a peça confusa, esta abordagem consegue trazer novas emoções ao clássico dramático, criando um verdadeiro espectáculo de rock que consegue pôr certamente toda a plateia a dançar.

Hayes, com a sua companhia Vox Lumiere, caminha por terreno desconhecido, mas há um grande potencial na sua premissa criativa. Neste momento, com “The Artist” nos cinemas e a arrecadar grandes prémios internacionalmente, o cinema mudo está a ter um momento revivalista. A criação de um espectáculo onde um filme mudo é o plano de fundo não podia vir em melhor altura.

The Phantom Of The Opera
Auditório dos Oceanos|Casino Lisboa
3ª a Domingo às 21h30. Até 12 de Fevereiro de 2012
Sábados e Domingos também às 17h



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This