Companhia de Teatro de Braga traz Inês de Castro a Coimbra

A Escola da Noite acolhe este fim-de-semana, no Teatro da Cerca de São Bernardo, a mais recente produção da Companhia de Teatro de Braga. “Jardim” foi escrito e dirigido pelo encenador russo Alexej Schipenko e é uma visita surpreendente e provocatória (mas apaixonada) a uma história que Coimbra conhece bem – a do amor de Pedro e Inês.

Com o subtítulo “Pedro e Inês – a história secreta nunca antes contada”, o espectáculo percorre a vida de Inês de Castro a partir do seu próprio diário. “Neste diário – explica o autor –, ela descreve o seu primeiro encontro, o amor, a vida com Pedro e o seu assassinato”. O diário não acaba, contudo, no momento da sua morte: “de uma forma simples, pequena e muito poética”, ele acompanha o percurso de Inês “até à exumação do seu corpo e coroação como rainha de Portugal”, relatando “o que acontece com aqueles que permanecem vivos”.

Questionado sobre as razões que fizeram com que se interessasse por esta história, Schipenko afirma: “descobri nela uma forma muito especial de descrever de que é que trata o amor, porque o amor é acerca da morte e a vida é toda acerca da morte”.

Na versão original do espectáculo, estreada em Braga, no Theatro Circo, a própria arquitectura do espaço era importante. O encenador quis levar “o corpo físico do espectador do fundo do inferno até à última nuvem do paraíso, num processo em tempo real”. A adaptação ao Teatro da Cerca de São Bernardo (a primeira saída em digressão do espectáculo) ocupou toda a semana e promete surpreender o espectador desde o momento em que entra na sala. Tal como a história de Inês, também o TCSB vai este fim-de-semana ser mostrado como nunca o foi. O trabalho feito no local pelo cenógrafo alemão Samuel Hof (colaborador habitual da CTB e de Alexej Schipenko) comprova uma vez mais a funcionalidade e a versatilidade da sala habitada pel’A Escola da Noite.

Alexej Schipenko nasceu em Stavropol, Rússia, em 1961, e é considerado um dos mais radicais autores russos, na procura de uma nova escrita dramática. Guitarrista, animador de um grupo de rock, estudou na Escola Estúdio do Teatro de Arte de Moscovo. Entre 1981 e 1991 escreveu um grande número de peças: “Verona”, “Economia Natural a Shambala”, “O Meu Mercedes Branco”, “The New Field Theory”, “A Casa dos Leões”, “Moscovo – Frankfurt”, “A Nova Mulher de Poskryobieksi”, “Las Russian Play”, “A minha pátria é a Rússia”. Radicado em Berlim desde 1992,  trabalhou, entre outros teatros, no Baracke Deustches Theater, dirigido por Thomas Ostermeier. Na Companhia de Teatro de Braga encenou “A Vida Como Exemplo” (2005) e “Praça de Touros” (2006), escritas propositadamente para a CTB, e “Os Lusíadas” (2008), a partir da obra de Luís de Camões. “Jardim” é a segunda incursão do autor no universo inesiano, depois da peça-filme “Kursk”, que estabelece um paralelismo entre o romance de D. Pedro e Inês de Castro, o afundamento do submarino Russo no mar do Norte e o terrorismo na Tchechénia.

O espectáculo, que é apresentado em Coimbra no âmbito da rede Culturbe – Braga, Coimbra e Évora, está em cena no TCSB nos dias 10 e 11 de Fevereiro (sexta e sábado), sempre às 21h30. Os preços variam entre os 5 e os 10 Euros e as reservas, como habitualmente, podem ser feitas por telefone ou e-mail.

informações e reservas
239 718 238 / geral@aescoladanoite.pt



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This