rec_brutus_

Convites duplos para REC brutus | Pão c/ Hernâni Faustino e Filipe Felizardo, dia 26 de Janeiro, na ZDB

Em que edição publicámos a entrevista com os Pão?

2 CONVITES DUPLOS PARA REC brutus | Pão c/ Hernâni Faustino e Filipe Felizardo, DIA 26 DE JANEIRO, NA ZDB

REC brutus

Quinta, 26 de Janeiro às 22h

Marco Franco e Manuel Lobo formam REC brutus uma parelha que combina ao vivo temas casiotone-yamahavoc a quatro mãos com improvisação ambiental do tipo FLOREST, um género que os próprios fundaram aquando do seu primeiro encontro em Junho de 2011. Apresentam na ZDB “Cage of Aquarius”, com imagem de Brutus Delgado, na companhia habitual dos dois teclados e duma bateria-kaos preparada por Franco. Texto da autoria dos músicos.

Formação:

Marco Franco: bateria transformada

Manuel Mesquita: teclados

Pão c/ Hernâni Faustino e Filipe Felizardo

Os Pão (Tiago Sousa, Pedro Sousa e Travassos) mostram bem a riqueza novamente emergente da música experimental em Portugal, ao juntarem gerações e proveniências diferentes em busca de um todo maior . Revelado no Festival Rescaldo ’1o, no café-teatro d’A Barraca, este projecto tem-se notabilizado e já passou por palcos como a Galeria Zé dos Bois , O Centro Cultural de Belém, o Jazz ao Centro em Coimbra ou a Casa da Música no Porto.

Tiago Sousa distinguiu-se como responsável da netlabel Merzbau, editora digital que entre 2005 e 2009 revelou músicos e projectos nacionais como B Fachada, Noiserv, Walter Benjamin, Mariana Ricardo, Lobster e Osso, entre outros. Em simultâneo, Sousa esteve envolvido em projectos de rock alternativo como Goodbye Toulouse, Jesus The Misunderstood e Macadame. A solo, e sempre com o piano ao centro, Tiago Sousa editou entretanto os álbuns “Crepúsculo” (2006), “The Western Lands” (2008) e “Insónia” (2009). Agora acaba de lançar, já neste ano, “Walden Pond’s Monk”, numa edição da americana Immune Recordings. Nos últimos trabalhos tem assumido cada vez mais uma filiação neo-clássica, numa aproximação aos compositores do início de século – a meio caminho entre Satie e Debussy, com uma personalidade muito própria.

O jovem saxofonista (tenor) Pedro Sousa tem dado nas vistas nos múltiplos projectos em que se tem envolvido. Em duo com o baterista Gabriel Ferrandini tem explorado os limites explosivos do free jazz, numa ligação incendiária. Além deste projecto, passou pela VGO de Ernesto Rodrigues e pelos OTO (vencedor do Concurso Projectos Artísticos – Serralves em Festa 2008) e tem colaborado com músicos como Rodrigo Pinheiro, Felipe Felizardo ou Hernâni Faustino.

O experimentador e criador de instrumentos Travassos tem desenvolvido uma metodologia particular na abordagem ao som, através dos seus projectos FLU, Pinkdraft, One Eye Project ou do mais recente Big Bold Back Bone (quarteto com Luís Lopes, Sheldon Suter e Marco Von Orelli). Travassos desenvolve um meticuloso trabalho de experimentação de electrónica analógica e já colaborou em projectos com Sei Miguel, Norbert Moslang, Rafael Toral e Manuel Mota, entre outros.

Juntos, exploram uma música contemplativa que tem como fio condutor a livre improvisação e como âncora o fenómeno acústico do drone, repousam na música minimal através da criação de massas sonoras cíclicas e progressivas, tanto delicadas e abstractas como rasgantes e melódicas, cria-se uma música de quasi-transe, onde se evocam extensas planícies e paisagens escarpadas. Texto da autoria dos músicos.

REGRAS

Devem enviar a resposta, nome completo e BI.

Os vencedores são notificados por email.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This