rdb_essentialkilling_header

Essential Killing

Vincent Gallo nos limites da sobrevivência numa intensa apoteose animal pelo veterano Jerzy Skolimowski.

Os primeiros minutos de “Essential Killing” são arrebatadores, reais, uma introdução a todo o sofrimento que se segue. Os limites da condição humana numa situação de sobrevivência pura, filmada com uma mestria implacável. Vincent Gallo é um dissidente taliban capturado e enviado para uma remota localização algures na Europa onde a neve é o menor dos problemas. O acaso da vida é ela acontecer, simplesmente, e neste filme isso é levado ao extremo. Gallo escapa, como que por milagre, e foge sem olhar para trás.

Esse milagre é como que uma amarga alegoria. Skolimowski não está muito preocupado em relatar os horrores da tortura ilegal de prisioneiros de guerra ou a legalidade de uma “guerra” ao terrorismo, mesmo que isso aconteça e de forma pouco subtil. Esta é apenas uma estória sobre a condição humana, sobre a sobrevivência extrema, sobre a nossa condição animal. Não há, praticamente, diálogo no filme, e isso é utilizado como catalisador da brilhante fotografia e da preciosa prestação de Gallo que se submete aos mais incríveis testes físicos sem dizer uma única palavra. A sua sobrevivência é o objectivo e no reino animal não há bem nem mal, tudo faz parte do equilíbrio natural. O filme dilui essa nossa percepção entre o certo e o errado porque o antagonista é a própria Natureza.

“Essential Killing” poderia, mesmo assim, ser ainda mais incisivo e eficaz; funciona mais como um ciclo, uma passagem, mas o seu portento não deixa ninguém ficar indiferente. É uma anomalia desejada no reino do cinema de contornos realistas, uma espécie de doença benéfica, que se vê de um fôlego e deixa sequelas. Mesmo que esse fôlego não choque tanto como chocaria há 20 anos atrás, mesmo que estejamos já habituados a todo o tipo de torturas no grande ecrã. É como purgar um mal que temos cá dentro há demasiado tempo, “Essential Killing” sai como um vómito, de uma só vez. É uma elegia, mas sem tristeza: é uma amargura que nos violenta psicologicamente e ainda bem. Especialmente os primeiros minutos, que nos caem de rompante como se o céu desabasse. Esperemos que dure o tempo suficiente nas salas de cinema para poder ajudar algumas almas que precisem de uma profunda purgação emocional.

TRAILER

MAKING OF

ESSENTIAL KILLING making of from Platige Image on Vimeo.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This