Festival Internacional Coimbra Dança

Decorre até 17 de Outubro a 5ª edição do Festival Internacional Coimbra Dança. O Festival faz parte da Rede das Cidades que Dançam e surge como uma emancipação do Festival Lugar à Dança desde que Coimbra foi capital da cultura em 2004. Actualmente é já uma marca ao serviço da cidade, que se afirma anualmente como um momento de grande importância cultural. Tem como base a dança que se apropria dos espaços urbanos como cenário para a criação, de forma a levá-la  às pessoas de forma democrática, reinventando os espaços e questionando a arquitectura.

A Praça da República e o Teatro Académico Gil Vicente são palco de várias propostas onde este ano se aposta numa programação multidisciplinar. Como exemplo, são vários os espectáculos que estabelecem uma relação estreita com a comunidade, com especial destaque para a CIM – Companhia Integrada Multidisciplinar, que trabalha com pessoas com necessidades especiais, e cujos directores são a coreógrafa e bailarina Ana Rita Barata e o cineasta Pedro Sena Nunes, também directores da Associação Vo’arte.

A CIM apresentará “O Aqui”, considerado o melhor espectáculo em 2009 pelo Público. Em palco estão treze intérpretes, entre os quais pessoas com necessidades especiais e bailarinos profissionais. Um momento que pretende desafiar e questionar o espectador, instigando à reavaliação do Eu e do Outro.

Durante o Festival é realizado um workshop / workgroup com a comunidade de integração multidisciplinar, que consiste numa abordagem aos conceitos base do movimento e da improvisação, enquanto elementos fundamentais para compreender questões de equilíbrio, peso e balanço de cada corpo. O objectivo é trabalhar também com as Associações de Paralisia Cerebral de Coimbra.

Finalmente, as presenças internacionais contam com o alemão Tosta Mista e o seu espectáculo “O Malabarista”, uma explosão de circo, música, humor e estreita comunicação com o público; “La Macana”, a dupla de bailarinos de Cuba e Galiza apresenta “Ven” e “Sometimes”, duas peças que tiveram grande circulação internacional, e Alena Dittrichová da República Checa apresenta “Histerismo Masculino” com bailarinos portugueses.

Além disso há o espectáculo de música e dança Raízes do português Joaquim Moreno, a exposição Étero, do artista João Ribeiro, a instalação de vídeo Mergulho do Pedro Sena Nunes, e uma extensão do Festival Internacional de Vídeo, Performance e Tecnologias – “InShadow”.

O Coimbra Dança é um festival que pretende estabelecer uma linguagem contemporânea na cidade e dinamizar os espaços públicos, para continuar a exploração da arquitectura numa vertente artística, levando o público a uma reflexão contínua sobre espaço que o rodeia.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This