Poesias Sonoras e Fado em Tempo Real

Poesias Sonoras e Fado em Tempo Real é um projecto de intervenção cultural na comunidade e para a comunidade do Porto, e que culmina em quatro concertos em que o fado é suporte para cantar nova poesia do Porto. À formação instrumental mais típica de fado – viola e guitarra portuguesa – juntam-se músicos de jazz, da Associação Porta-Jazz , e que irão novas texturas ao fado tradicional. A acompanhar os concertos as imagens, os edifícios, as pessoas e as memorias do Porto.

A direcção musical é de Ricardo Pons, a coordenação de conteúdos e oficina de escrita de Ricardo Alves, os vídeos de Paula Preto e produção de Maus Hábitos/Sandra Carneiro.

Em Agosto, ao longo de 4 sessões de fado vadio e com uma oficina de escrita criativa, foi criado um espaço de criatividade e encontro entre fadista, músicos e letristas com vista a reinventar um reportório de fado para as quatro freguesias da zona histórica do Porto.

No Porto o fado tradicional é um movimento discreto e no entanto dinâmico. Todos os dias é possível assistir no Porto a sessões de fado vadio em diversos pontos da cidade. Segundas à tarde no Fado Menor, Terças à tarde no restaurante Beira Rio, Quartas, sextas Monte Aventino, às quinta no restaurante Cangalhas e aos sábados no Meia Pipa. Este é apenas um dos muitos roteiros semanais possíveis, pois nos últimos tempos têm surgido novos espaços onde semanalmente ou mensalmente se realizam sessões de fado vadio.

Com tradição que remonta aos tempos anteriores à rádio o fado vadio foi uma forma de levar música às classes sociais onde as meninas não falavam francês e principalmente não tocavam piano. Um karaoke antes do tempo, onde a tradição foi forjando as regras que permitem que músicos e cantores, sem ensaios prévios conseguissem preencher uma tarde com um espectáculo musical.
O cantor avança até junto dos músicos informa-os do fado tradicional que pretende cantar e qual o tom. “O fado Vianinha em ré”. Depois de iniciado o tema compete aos músicos seguirem o cantor, corrigindo desvios e acertando ritmos, adaptando-se ao estilo da interpretação. Cada cantor dá ao fado tradicional uma interpretação única. A melodia da voz não segue a melodia do primeiro poema cantado nesse fado, mas sim a melodia específica do poema escolhido.

Há cerca de 300 fados chamados de tradicionais com nomes que são homenagens aos seus criadores, referências ao primeiro tema da poesia com que foram cantados, ou mesmo o nome da pessoa a quem primeiro foram dedicados. O fado vadio é também ele impulsionador da poesia popular. A maioria dos frequentadores das sessões de fados já arriscou, pelo menos uma vez, o alinhavar de um poema para ser cantado.

Este projecto está enquadrado programa Manobras no Porto, e será apresentado no âmbito do evento “5 Dias de Manobras” a decorrer de 28 de Setembro a 2 de Outubro.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This