Seminário de Formação para Críticos de Artes Performativas – Mais Crítica

O alkantara, a Culturgest, o Teatro Maria Matos e o Teatro São Luiz organizam o seminário de Formação para Críticos de Artes Performativas – Mais Crítica. Com a duração de 10 meses (setembro 2012 a julho 2013), este seminário destina-se a qualquer interessado. A receção de candidaturas será feita até 15 de junho. Visando contrariar o progressivo e notório desaparecimento da crítica de artes performativas do espaço público, quatro instituições lisboetas juntaram-se de forma a criar as condições de produção necessárias para a realização do seminário Mais Crítica. Pretende-se assim promover a multiplicação das vozes críticas existentes no nosso país e o surgimento de novos espaços que possam amplificar o discurso sobre as artes e o impacto que estas têm no terreno das relações sociais em geral.

Mais Crítica tem então como objetivo incentivar o aparecimento e o crescimento de novos críticos na área das Artes Performativas, através de um programa de formação orientado por Liliana Coutinho e Rui Pina Coelho. Esta formação, em regime de prática acompanhada, terá um caracter teórico-prático que motivará, por um lado, a partilha de ferramentas teóricas pertinentes para o exercício crítico e, por outro, a produção escrita, divulgada no blogue Mais Crítica que receberá regularmente os textos produzidos pelos participantes no seminário. Pretende-se que este espaço contribua para o indispensável discurso público sobre os objetos artísticos e para a preservação da memória (ameaçada) do teatro e da dança que hoje se fazem.

Atividades Previstas

1. Assistência semanal coletiva a espetáculos, na presença de um ou dos dois tutores, seguida de discussão sobre os mesmos.
2. Escrita de textos críticos com vista à publicação (cada formando deverá publicar dois textos críticos por mês, sob a tutoria dos formadores);
3. 5 temas/5 conversas: encontro bimestral, em sessões orientadas pelos tutores, com a possível participação ocasional de convidados, para o qual será selecionado um corpus bibliográfico de referência. Temas a abordar: a função da crítica; a crítica e o jornalismo cultural; a crítica e a preservação da memória; as ligações entre a crítica e a criação artística; a crise da crítica e a crise de autoridade: pensar o julgamento e a argumentação; os lugares da crítica: as possibilidades do exercício crítico nos vários media; arte e economia social; etc.
4. Discussão mensal (sessões de 3 horas) sobre os espetáculos assistidos e sobre os textos publicados, na qual será dado enfâse ao desenvolvimento da capacidade de argumentação, riqueza estilística e capacidade de organização, escrita e oral. A discussão sobre cada um dos espetáculos servirá também para exercitar os instrumentos específicos de análise dos diferentes componentes da cena, visando uma justa adequação às obras em questão.

Para além deste programa, o seminário será complementado pela participação em atividades diversas, tais como a assistência a ensaios, conversas com criadores e intérpretes de obras em cena ou em processo de criação e iniciativas propostas pelas instituições produtoras e abertas ao público em geral.

Candidaturas

– A receção de candidaturas será feita até 15 de junho.
– Os candidatos deverão enviar um dossiê composto por Curriculum Vitae, carta de motivação e um texto crítico sobre um espetáculo de dança ou teatro, até 3000 carateres, para o email maiscritica@gmail.com
– Os tutores do Seminário Mais Crítica farão a seleção das candidaturas enviadas, podendo ainda haver lugar a uma entrevista de pré-seleção.

Divulgação dos selecionados a 13 de julho

Número máximo de participantes: 6

Orientadores

Liliana Coutinho é curadora independente e investigadora na área de Estética e Ciências da Arte. Colabora atualmente com And_Lab e com C.A.M.-FCG. É autora de Ana Vieira – o que existe nos interstícios da figura? (ed. Caminho, 2007) e coordenou o 3° número da revista Marte, dedicado à Performance. Escreveu para exposições, catálogos, publicou em revistas como L+Arte, Sinais de Cena e Pangloss e livros, dos quais destaca a participação em António Welington de Oliveira Jr. (org.). A performance ensaiada: ensaios sobre performance contemporânea (Fortaleza: Expressão Gráfica, LICCA, 2012) e Jos de Mul & Renée van de Vall (eds.), Gimme Shelter: Global Discourses In Aesthetics. IAA Yearbook 2011 (Amsterdam: Amsterdam University Press, 2012, forthcoming). Doutorada em Estética e Ciências de Arte pela Université de Paris 1 – Panthéon-Sorbonne, prepara atualmente a publicação da sua tese pela editora L’Harmattan. Membro da A.I.C.A. – Associação Internacional de Criticos de Arte e da I.A.E. – Internacional Association of Aesthetics.

Rui Pina Coelho é docente na Escola Superior de Teatro e Cinema. Mestre em Estudos de Teatro pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é investigador do Centro de Estudos de Teatro dessa Faculdade; e do CIAC – Centro de Investigação em Artes e Comunicação. Publicou Casa da Comédia (1946-1975): Um palco para uma ideia de teatro (Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 2009, 325 pp.) e Inesgotável Koltès (ESTC/Teatro dos Aloés, 2009, 48 pp.). É membro do Conselho Redatorial da revista Sinais de cena (APCT/CET) e membro do Conselho Consultivo da revista on-line opercevejonline (Rio de Janeiro, Brasil). É membro da Direção da APCT – Associação Portuguesa de Críticos de Teatro e foi crítico de teatro no jornal Público. Realiza dissertação de Doutoramento em Estudos Artísticos na Faculdade de Letras de Lisboa. Como dramaturgo, tradutor ou dramaturgista colaborou com Trimagisto, Teatro O bando, TEUC, Teatro dos Aloés e TEP – Teatro Experimental do Porto.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This