fura_header

Guimarães 2012 – Inaguração oficial

Foi com dois espectáculos inéditos que se deram as boas-vindas à Capital Europeia da Cultura em Guimarães.

A presença de altas individualidades nos dois momentos deram o mote para um evento que assume um lugar de destaque, quer no panorama nacional, quer no internacional. O Presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, assim como Aníbal Cavaco Silva e Pedro Passos Coelho, Presidente da República e Primeiro-ministro, respectivamente, marcaram presença na Cerimónia oficial de abertura de Guimarães 2012 como os mais altos dignitários da nação.

Cerimónia protocolar: “Os nossos afectos

A cerimónia oficial de abertura de Guimarães 2012 contou com as participações do grupo vocal Outra Voz, da Fundação Orquestra Estúdio, do Grupo de Caixas e Bombos Nicolinos, bem como de Cristina Branco, Chico César (Brasil), Ritinha Lobo (Cabo Verde), Rão Kyao e os Danças Ocultas.

Os temas visados neste magnífico espectáculo foram “As memórias afetivas de Guimarães”, os “Sons da Lusofonia” e a “Europa e as cidades: do pensamento à agitação”. Toda esta panóplia de conceitos foi idealizada por um vimaranense, o guitarrista Manuel D’Oliveira.

“Os nossos afectos” foi a denominação escolhida para o panorama espectacular desta inauguração. Manuel D’Oliveira diz ser “uma fantasia, uma agitação em quatro batimentos: recordar, conservar, experimentar, desejar”. Foi nesta linha conceptual que surgiu um espectáculo multidisciplinar, onde a música, a dança, o teatro, o vídeo e as artes plásticas se amalgamaram para a realização de um evento comum e interactivo.

De toda esta lanceira despoletou um evento construído sobre uma ideia original, eminentemente interativo e de grande impacto e espectacularidade. Todas as 4 mil pessoas presentes no Pavilhão Multiusos de Guimarães, bem como os telespectadores, quase meio milhão assistiu pela RTP, presenciaram um momento especial de magia e deslumbramento.

Espectáculo de Rua – “Tempo de encontros”

Às 22h00, no Largo do Toural, aconteceu pela mão do Centro de Criação para o Teatro e Artes de Rua (CCTAR) e dos catalães La Fura dels Baus uma soberba manifestação artística. Um espectáculo de rua que manteve especadas dezenas de milhares de pessoas. Foram vários os vizinhos galegos que se deslocaram à cidade-berço para assistirem eles também à sessão inaugural.

“Tempo de encontros2 foi o nome do primeiro de quatro espectáculos de rua agendados para esta Capital Europeia da Cultura. Este consistiu numa festa de espaço público, que conferiu a toda a população a possibilidade de se sentir parte integrante de toda esta vivacidade.

Performance, projeções multimédia e videomapping proporcionaram uma reflexão que partiu da cidade, da sua História e dos seus habitantes.

A herança de uma grande história, pertencente a todos os portugueses, e a necessidade de mudança sem olvidar o passado que lhes pertence, foi o ponto de partida deste hipertrofio espectacular dos La Fura dels Baus. O status quo, o mutadis mutandi e “e tudo se transforma” que estão intrínsecos à identidade do povo português foram os alicerces da inspiração artístico-cultural dos idealizadores e criadores do espectáculo.

A figura descomunal de um cavalo e de uma personagem de semelhantes dimensões passearam pelo Largo do Toural. O Cavalo, em representação dos valores e da força do passado e do presente. Da história da construção do país, do tempo das conquistas, dos descobrimentos, de D. Afonso Henriques e de todos os reis do mundo passado e actual. Co-protagonista desta história foi uma personagem antropomórfica, metáfora precisamente da ininterrupta necessidade de mudança e transformação do próprio status quo, da realidade no seu desenvolvimento histórico.

Milhares e milhares de pessoas testemunharam este acontecimento. Afastadas do conforto dos seus lares, mergulharam na multidão. Quiseram ver com os seus próprios olhos, ao vivo e a cores, a refulgência deste espectáculo de rua da Capital Europeia da Cultura.

Foi o primeiro dia da Capital Europeia da Cultura. O primeiro dia de Guimarães como epicentro cultural.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This