rdb_rubenneves_header

Into the wild

A versão portuguesa do fotógrafo Rúben Neves.

Encontramos Rúben Neves num jardim, algures em Lisboa, num dia de sol, para falar de «bichos». E fomos visitados por alguns deles durante a conversa, o que fazia com que o fotógrafo desviasse a atenção das palavras para registar essas «visitas» com o seu olhar.

A fotografia da natureza é o espaço onde Rúben Neves se perde e se encontra: «é tudo tão natural e genuíno, é quase um momento egoísta, pois o que “ganho” com estes momentos é maior do que aquilo que posso dar». Egoísmo? «Sim, muitas vezes fotografo só com o olhar e acabo por não registar momentos que nem sequer consigo descrever em palavras».

É um olhar sorridente aquele que encontramos ao ouvir as estórias de Rúben, nos seus momentos de fotografia, em ambiente natural. Gerês, Escócia, Lousã, Serra de Cazorla, Sintra – da costa portuguesa ao Alentejo, Rúben acumula já alguns quilómetros na companhia das suas máquinas e objectivas, em busca do momento irrepetível. Se há expedições que exigem alguma investigação a nível do local e das espécies que nele se podem encontrar, outras há que exigem do fotógrafo apenas a disponibilidade para viver momentos de contemplação da «bicharada».

Contemplar certos e determinados momentos na natureza é um luxo. A partilha que a natureza apresenta para connosco, ao permitir a presença de um estranho (o fotógrafo) no seu espaço é de uma generosidade indescritível. Ao longo da conversa, Rúben sublinha a amabilidade de uma natureza que pouca gente conhece e que é profundamente rica. «Temos o paraíso mesmo aqui à mão de semear, por exemplo, no Gerês».

E temos também encontros para quem desenvolve trabalho e projectos nesta área. Exemplo disso são os Encontros de Fotografia de Natureza e Vida Selvagem, cuja segunda edição teve lugar em Vouzela, em Janeiro último. Rúben Neves tem colaborado com este movimento, que se encontra a dar os primeiros passos, mas que tem vindo a conquistar reconhecimento junto das pessoas da área. Luís Quinta, Nuno Sá, Alexandre Vaz, João Cosme e José Benito Ruiz são alguns dos nomes que passaram por este encontro, para partilhar experiências.

«Sempre fotografei. Com os olhos.» – repetiu o Rúben. Já tínhamos ouvido esta expressão há pouco. Insistimos: fotografar com os olhos? Como assim? «Quando olho para o que está à minha volta, penso na forma de registar estes momentos, como se fossem fotografias. Mas eu não me assumo como fotógrafo.» (E aqui que ninguém nos ouve, Rúben, não há qualquer problema nisso desde que nos permitas a nós tratar-te como tal).

Falta-nos educação ambiental e massa crítica para discutir profundamente o que se faz em termos de fotografia da natureza. Esta apresenta todo um potencial ao nível daquilo que se pode partilhar com os outros em termos de perspectiva ecológica, da educação para a biodiversidade e para o respeito e compreensão daquilo que é o ambiente. A fotografia da natureza pode ser um meio pedagógico para que cada um de nós tome consciência das espécies animais que habitam o nosso mundo, sim, aquele mundo que está mesmo aqui a dois passos de nós.

E cada fotografia conta uma estória, diz-nos Rúben. Dos caminhos que se trilham até chegar àquele espaço, àquele habitat; da amizade que se constrói em cada expedição; do calor ou do frio que se enfrenta à espera que aquele animal nos diga um olá, à sua maneira.

Se há animal que Rúben não esquece, são os esquilos da Escócia. Pode dizer-se que é a sua «imagem de marca» enquanto fotógrafo da natureza. Tal como o esquilo, também Rúben tem os seus sentidos bem apurados quando se encontra em busca do momento ideal para fotografar: seja com o olhar ou com a objectiva. Sempre alerta aos movimentos (tal como o esquilo) é o Rúben que nos diz, durante a entrevista, perante o vôo inesperado de um pássaro: «já viste? Parece que adivinham que estamos a falar de bichos!»



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This