rdb_queermente_header

Queer-mente – evento artístico paralelo do festival de cinema Queer Lisboa 17

–mente associa-se ao Queer Lisboa 17

Inspirados pela figura incontornável de Divine, a diva queer que marcou os anos 70 do século passado, desafiámos os artistas do Queer-mente a refletir sobre a afirmação queer como um acto de transgressão – algo que vai muito para além da mera identificação com éles, gês, bês ou tês. Queer é transgredir, é não estar alinhado com as convenções, é ir além do que se espera, é quebrar as instituições e ser cúmplice da destruição do moralismo. O sexo e o género normalizados não deixam espaço para a expressão gay, lésbica, bissexual, transgénero, pansexual, promossexual, assexual, autossexual e poliamorosa. Rejeitando a normalização, a própria expressão heterossexual pode rejeitar as convenções e ser queer.

O sufoco da normalização coloca o “queer” em oposição ao “straight” – e as suas diferentes expressões radicalizam-se. A crítica ao statu quo faz parte da transgressão e a revolta instala-se na demonstração política. As botas da tropa também são para elas e os meninos podem brincar com(o) bonecas. O desespero que leva à luta há-de pagar-se em satisfação e alegria.

A força da identidade queer germina no insulto que lhe deu o nome; a intervenção faz-se pela quebra das barreiras da imagem e do pensamento. Meias de vidro com bigodes, flamingos com óculos escuros, santidade com pornografia. Do estranho ao mau gosto, vale tudo para contar uma história. Laca, poliéster e maquilhagem de néon. A libertação aos olhos de todos. Rápido. Instantâneo. Responsivo.

Ministerium Club: 21 de Setembro, 23:00

Aquele que é um dos mais promissores espaços de diversão noturna de Lisboa abrirá as portas à programação do –mente e às criações dos artistas convidados para participar no Queer-mente.

Luzes, câmara, transgressão

A temática queer irá inspirar os artistas convidados a interpretar o conceito de “transgressão”. Cada artista usará a sua linguagem artística e o resultado refletirá a diversidade deste conjunto:

– Antonio Onio (performance)
– Cláudia Jardim (teatro)
– Dário Pacheco & José Aparício Gonçalves (dança)
– Fernando Santos – Deborah Krystall (teatro)
– Isabel Moreira (convidada especial)
– João Grosso, Vítor d’Andrade, José Neves (teatro e vídeo)
– Miguel Bonneville (performance)
– Mónica Coteriano (vídeo)

A transgressão continuará com os DJ António Almada Guerra, D.M.A. e Cláudia Armada.

Qual será o formato do Queer-mente?

Cada artista terá oito minutos em palco para interpretar o tema do Queer-mente num formato inteiramente à sua escolha.

O que veremos no Queer-mente?

O desafio lançado aos artistas passa pela interpretação da natureza transgressora da temática queer, que encontra expressão no cinema em obras como a do cineasta John Waters.

O que é o –mente?

É uma estrutura de programação, criação e comunicação de trabalhos criativos de diferentes disciplinas artísticas, como o dança, o teatro, a performance, a música e as artes plásticas.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This