rdb_3mulheres_artigo

“Três mulheres”, de Sylvia Plath

Deste viver em brancura

Sylvia Plath foi uma poetisa, romancista e, antes de mais, uma mulher deprimida. É no texto “A Redoma de Vidro” (escrito sob o pseudónimo de Victoria Lucas) que Sylvia relata os pormenores de uma vivência em luta constante contra a depressão. Depressão essa que a levou ao suicídio, com 30 anos, em Fevereiro de 1963. É autora do texto “Três Mulheres”, poema a três vozes, que é colocado em cena pela Voz Humana.

Raquel Dias, Margarida Cardeal e Ana Moreira são as actrizes que, numa coreografia de branco e de dor, encarnam três mulheres que são uma só: a mulher que vai parir, a mulher que abortou, a mulher que é mãe. Nem tudo é dor. Há euforia. Será a típica euforia de quem se entrega à depressão? Será a euforia do contentamento em conseguir aquilo que o destino teima em nos retirar, quando estamos tão perto?

Em palco, três mulheres [no fundo, uma só] rodopiam na vida que se veste de branco, de uma brancura própria de quem sente demais. Surgem questões, dúvidas, prazeres e dores, tudo isso sentido no âmago de um viver profundo. Compreendemos como a felicidade e a verdade são coisas que tantas vezes não coincidem. Como o ser quem somos é atropelado pela brancura vazia, na qual o vermelho contrasta e nos segreda palavras ao ouvido.

O texto é denso e exige das actrizes uma entrega física e emocional, que contrasta com o branco que inunda o palco e nos permite uma leitura a cores, a preto-e-branco, a duas cores; enfim, permite-nos pintar aqueles momentos das cores que invadirem a nossa alma na altura. A peça é una e tripartida ao mesmo tempo: uma só mulher habitada por outras e tantas mulheres que se constituem como um único rosto, no reflexo da água.

Quando eu sair daqui, serei um acontecimento notável.
Não vale a pena preocupar-me ou sequer ensaiar.
O que me está a acontecer, seguirá o seu curso naturalmente.
O faisão está de pé na montanha;
Exibe as suas penas castanhas.
Não posso deixar de sorrir ao pensar no que sei.
As folhas e as pétalas esperam-me. Estou pronta.

“Três Mulheres” estreou no Centro Cultural da Malaposta a 3 de Maio e pode ser visto até dia 20 de Maio. Trata-se do terceiro trabalho com carimbo Voz Humana, depois da peça que dá nome ao projecto, de Jean Cocteau, e de “Chorar e Secar”, que esteve em cena no Teatro Turim.

Margarida Cardeal, Raquel Dias e Ana Moreira marcam presença no 2º Festival Internacional de Teatro e Artes de Luanda, a ter lugar entre 17 e 31 de Maio, subindo ao palco do Elinga Teatro, no dia 24 de Maio. Por cá, aguardamos novos ecos da Voz Humana.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This