rdb_felicidade_header

“Procura-se Felicidade”

A felicidade não se procura, encontra-se. No Centro Cultural da Malaposta, em Odivelas, até 25 de Novembro

Ele: O que é que tens?

Ela: Nada.

Ele: É sempre nada.

Será possível que para se “ser feliz, é sempre no passado”?

A peça “Procura-se Felicidade” estreia hoje (2 de Novembro) no Centro Cultural da Malaposta, em Odivelas, e retrata a vida de um casal, durante uma gravidez.

O texto foi escrito por Lourenço Henriques, durante o processo de gravidez do seu último filho, e aborda as alterações do equilíbrio de um casal durante essa fase. Ao longo de cerca de uma hora, o espectador é transformado num voyeur, que é “raptado” para dentro da vida deste casal de personagens sem nome.

A acção desenrolada não tem tempo nem espaço, acontece “aqui e agora”, e apenas nos apercebemos de que estamos a ser levados de frente para trás, de um futuro próximo, para um passado não muito longínquo, do nono mês para o primeiro. “Tudo acontece ao contrário, a própria personagem vai-se descobrindo ao contrário, e cada dia vou encontrando coisas novas”, revelou-nos José Mata, o actor que interpreta o marido sem nome. Marta Andrino, pelo seu lado, confessou que no processo de desenvolvimento da sua personagem, que é sempre contínuo e ininterrupto, buscou alguma maturidade, e que tudo é fruto do trabalho que todos foram desenvolvendo.

Como o autor explicou, o texto foi escrito para ser representado em teatro e todo o processo de criação e encenação do espectáculo durou cerca de mês e meio. O espaço onde os dois actores desenrolam este enredo tem poucos adereços, é minimalista e chega a ser movível, sendo que no final o espectador observa a cena através do espelho, que rodeia o palco. O encenador Marco Paiva explicou que “gosta de ver em palco apenas o que é essencial”, para destacar os elementos que são realmente fortes. Também o fizeram com o texto inicial de Lourenço, em que depuram o conflito: a discussão e tensão daquele momento, foram exaltadas em palco.

A grande magia desta peça é o facto de o público dar de caras com duas personagens tipificadas, que poderiam ser qualquer um de nós. O texto, fenomenalmente bem escrito e representado, ressoa num cantinho recôndito de cada um de nós, apesar de, à partida, não o querermos admitir. É quase como se entrássemos numa sala de um reality show, como o próprio encenador metaforizou. O espectador fica “passivamente a ver a vida de um casal a desmoronar-se à sua frente”. Isto causa revolta nas entranhas, emociona, desperta, dá lugar a sensações, que é o que se quer quando se vai ao teatro: sentir.

Este espectáculo “estimulador de emoções” estará em cena no Centro Cultural da Malaposta, até dia 25 de Novembro, sextas e sábados às 21:45 e domingos às 16:45.

Ele: Estou aqui contigo.

Ela: Por quanto tempo?

Ele: Não sei.

“É uma merda ser feliz, é sempre no passado. “

 

Texto de Lourenço Henriques
Encenação de Marco Paiva
Interpretação de Marta Andrino e José Mata
Música de Mário Rui Teixeira



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This