rdb_vozhumana_header

“A Voz Humana” de Jean Cocteau

Monólogo com encenação de Vicente Alves do Ó em cena no Teatro da Trindade

“A Voz Humana” subiu aos palcos pela primeira vez em 1930, pela voz da actriz Berthe Bovy. Na altura, a peça foi vaiada. Ao longo dos tempos, este tem sido um dos monólogos mais cobiçados pelas mais variadas actrizes. Maria Barroso, Eunice Muñoz, Isabel de Castro e até mesmo o colectivo Raquel Dias, Margarida Cardeal e Ana Moreira foram algumas das mulheres que já deram voz às palavras do poeta francês. Em 2013, Carmen Santos assume o desafio de subir ao palco com este texto, contando para isso com a encenação do realizador de Quinze Pontos na Alma e de Florbela, Vicente Alves do Ó.

No texto de Jean Cocteau, a amante ama verdadeiramente um homem, que lhe mente e lhe foge por entre os dedos. A sua única forma de o agarrar é usar a palavra, fazer-lhe chegar a sua voz, através de uma linha telefónica.

«Linhas cruzadas» é a expressão utilizada para justificar os enganos das telefonistas e as conversas que acontecem por engano, ao telefone. Cruzadas são também as linhas que unem aquela mulher, que encontramos sozinha em casa, ao seu amante. Cruza-se a mentira com a chantagem, a vontade com a desilusão. O telefone toca e ela atende. «Eu oiço como se estivesses ao pé de mim», num segundo – e no outro ele parece estar muito longe. A distância entre esta mulher e aquele homem está presente na encenação: a actriz desloca-se num espaço cenográfico genialmente desenhado por Eurico Lopes, que permite uma combinação, diríamos, quase perfeita com a luz e a sombra. Também a cenografia nos permite compreender e mergulhar no jogo de manipulação entre aquele casal.

Carmen Santos assume uma mulher dotada de uma consciência, diríamos, estóica. Ela não berra, não grita, não chora, não suplica. Ela é ela e o seu amor por ele – e vive de acordo com a sua situação. Usa a voz para controlar o corpo que quer ter, a cada momento, enrolado no seu. Linhas, palavras, corpos em constante cruzamento.

O trabalho, tal qual é apresentado no Teatro da Trindade, conheceu a sua estreia ao público em Almada, em Janeiro de 2012. Era vontade da actriz estreá-lo em Lisboa «porque, afinal, sou alfacinha», disse Carmen, no passado dia 22 de Agosto. “A Voz Humana” encontra-se em cena até ao dia 8 de Setembro, na Sala Principal do Teatro da Trindade, de quarta a domingo. Da equipa fazem parte, para além dos nomes já mencionados, Anaísa Raquel (assistência à encenação) e João Gomes (música).

Este espectáculo integra-se nas comemorações dos 50 anos da morte do autor, pelo Comité Jean Cocteau. Conta, ainda, com o apoio do Institute Français du Portugal e do Museu das Telecomunicações.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This