rdb_ensaioparalelo_header

Ensaio Paralelo

Duas solidões sedentárias.

Nesta abordagem o espaço e o tempo são unos, mas a vida é dividida em duas paralelas. Duas vidas, encarnadas por duas mulheres, que se separam pela divisão do cenário em palco. Duas mulheres, que (sobre)vivem (a)o seu dia-a-dia dentro do seu espaço habitacional, agarradas a projectos de vida inconcluídos, cujo único objectivo, aparentemente, é o de preencher os seus lares e o seu tempo através de acções quotidianas particulares e esquematizadas.

O espaço cénico que separa cada uma das personagens dá-nos pistas sobre alguns traços das suas personalidades ligados à organização, disciplina, vaidade e por/no outro lado, o distúrbio mais evidente, num ambiente familiar e protector. Porém, algumas pontes são feitas: sonhar com a ousadia e a frustração de não conseguir concretizá-la, tornando-as máquinas, escravas da eterna agenda diária.

Na sua temática, encontra-se ainda a estandardização social contemporânea: a tentativa de começo a partir de determinadas premissas para se concretizar o futuro, que ao tornar-se irreal, transforma-se no prolongamento do presente incerto, rotineiro e banal; sem iniciativa e sem vontade de mudança porque cada vida é um contínuo “ensaio paralelo”.

O espectáculo foi criado e encenado pelas duas actrizes separadamente, partindo do projecto de Sophie Pinto, que somente no final dos seus processos criativos as juntou para a sua realização numa tentativa de, segundo estas, ” satisfazer a necessidade de um espaço de experimentação livre na área das artes cénicas e performativas.” Dizendo-se “fortes na convicção de que podem prescindir de uma direcção artística com uma hierarquia vertical” as actrizes trabalham autonomamente e desenvolvendo parcerias com criadores de outras áreas, sem subsídios nem apoios institucionais: “We´ve always depended on the kindness of strangers.”

“Ensaio Paralelo”
, direcção e criação Sophie Pinto, interpretação e co-criação Filipa Leão e Vanda Cerejo do colectivo SophieMarie, com a produção da Associação Cultural No Man’s Land. De 13 a 23 de Maio, no Espaço Nimas.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This