1

Fire Emblem: Warriors | Análise

"It appears we have developed a bond of sorts." - Frederick

Disponível para a Nintendo Switch (versão analisada) e família de portáteis New Nintendo 3DS e 2DS XL, Fire Emblem Warriors é a mais recente adaptação de uma das mais emblemáticas séries JPRG para a fórmula Dynasty Warriors. “Se há série à qual esta fórmula assenta que nem uma luva, é esta”, foi o que pensei quando foi anunciado e não me enganei. A Omega Force está de volta com um dos seus melhores tributos, proporcionando uma aventura que combina um vasto leque de personagens das mais variadas linhas temporais de Fire Emblem, que não só permite que os fãs celebrem a sua paixão por uma das suas séries preferidas mas também que outros jogadores saiam daqui com curiosidade de conhecer pela primeira vez esta grande série JRPG.

A história tem uma premissa interessante ao transportar-nos para o reino de Aytolis onde, sem qualquer aviso, o castelo real se vê assolado por portais negros dos quais sai um enorme exército de monstros que rapidamente o toma de assalto. O castelo cai e o reino mergulha na escuridão… mas há ainda esperança. Do castelo envolto em chamas, escapam os filhos do falecido rei, Rowan e Lianna, levando consigo um bem muito importante confiado pela sua mãe, o Escudo Flamejante (Shield of Flames). Começa assim a história de dois irmãos que terão de travar uma luta sem tréguas contra a escuridão que paira ameaçadoramente sobre o seu reino e reconquistar o que é seu por direito!

Felizmente que os nossos heróis não estarão sozinhos na sua missão. Não tardam a surgir heróis tão conhecidos pelos fãs, como Chrom e Marth prontos a lutar por um bem maior, alguns até pondo de lado as suas divergências, como é o caso de Xander e Ryoma. Quanto mais progredia mais heróis ia desbloqueando e mais composta ia ficando a minha equipa de eleição. E se às tantas julgava que não ia precisar das restantes ou, pelo menos, da maioria, depressa me enganei! Acontece que apesar de Fire Emblem Warriors se jogar como um tradicional Dynasty Warriors, como homenagem que é à série Fire Emblem e nomeadamente à sua vertente táctica, depressa me deparei com momentos em que era necessário debruçar-me sobre quem levar para o campo de batalha.

Espadas derrotam machados, machados derrotam lanças e lanças derrotam espadas”, lembram-se desta lengalenga? Óptimo porque continua bem vincada em Fire Emblem Warriors. Logo no início de cada missão temos a oportunidade de observar o mapa do cenário em que toda a acção se vai desenrolar. Além de poderem estudar a posição dos vossos adversários, nele podem também observar as personagens que poderão controlar e quais as que estarão lá apenas como suporte. Podem gerir tudo isto, alternando a vosso bel prazer a posição das personagens no “tabuleiro” ou trocá-las por outras mais compatíveis com as unidades inimigas que irão defrontar. Aprovados os elementos da vossa equipa e a sua respectiva posição, resta dar início ao combate.

Em acção Fire Emblem Warriors continua a não desapontar. Todas as personagens estão incrivelmente detalhadas, muitas vezes até em contraste com os cenários. Estes, por sua vez, são algo crus no que toca ao aspecto visual mas não deixam de ser o palco principal para uma acção frenética! Um combo aqui, um ataque especial devastador acolá, é impressionante como cada personagem proporciona uma forma tão distinta de jogar e passadas umas valentes horas de jogo, a repetição a que este género convida nunca me aborreceu, à medida que ia alternando entre os vários membros da minha equipa e capturando, perdendo e voltando a capturar os vários pontos estratégicos de cada mapa.

Igualmente gratificante foi reparar que a Omega Force não se esqueceu de dar importância à relação entre as personagens. Dentro do campo de batalha, curar um companheiro de armas ou derrotar inimigos a seu lado pode mais tarde levar-nos a um cinemática especial a celebrar a sua amizade e pode até oferecer-nos fatos alternativos para algumas das personagens. Não é tão recompensador como o Bonding System da série original mas é mais uma forma de o jogo nos convidar a alternar entre as várias personagens que coloca ao nosso dispôr.

Terminada a batalha, para o vencedor: o espólio! Além de pontos de experiência e dinheiro que poderemos utilizar para comprar peças de equipamento ou evoluir uma ou outra personagem menos utilizada – fazendo assim com que a discrepância com as restantes seja menor – podemos até recolher “materiais” que nos permitem no Crest System evoluir os atributos ofensivos e defensivos das nossas personagens preferidas. Este sistema de progressão é bastante robusto e afecta drasticamente o desempenho das nossas personagens no campo de batalha, sobretudo se a uma delas aplicarmos um Selo Real. Façam-no e vejam os seus atributos a serem quase duplicados, graças à evolução da sua classe!

Como se o modo campanha não fosse robusto o suficiente, Fire Emblem Warriors oferece-vos ainda o History Mode! Aqui farão parte de algumas das batalhas mais emblemáticas da série Fire Emblem ao comando de heróis específicos (a sua progressão é transversal para este modo, claro). Com eles terão de superar uma série de desafios até conseguirem chegar ao confronto final. Alguns desafios são menos pertinentes como é o caso das arenas que nos colocam a lutar contra apenas um inimigo – evidenciando a simplicidade do sistema de combate da Omega Force à medida que desencadeamos os mesmos combos vezes e vezes sem conta até o derrubarmos. Mas num plano geral este modo consegue ser bastante pertinente, desafiante até, sobretudo porque oferece aos fãs a oportunidade de revisitar outras personagens velhas conhecidas!

Ainda que só se faça acompanhar apenas pelas vozes em Inglês, o grande defeito que lhe aponto, é inegável o grau de conteúdo que Fire Emblem Warriors tem para oferecer. Tal como já havia mencionado, a versão analisada foi a da Nintendo Switch. Ainda que a gestão dos mapas tenha sido algo cansativa para a vista no modo portátil, poder jogar onde e quando quiser na nova consola da Nintendo é um luxo ao qual ainda estou a adorar habituar-me. Se és fã do género Hack n’ Slash ou se simplesmente procuras uma nova forma de jogar uma das tuas séries JRPG preferidas, então este jogo é para ti!



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This