rdb_pogovideo_header

Home Video System

Cor: vermelho, des(obediência)!

Ainda não conhecia o espaço. Sabia à partida tratar-se de uma sala conceituada da capital, outrora uma referência do cinema independente, e pouco mais. HOME VIDEO SYSTEM chegava à minha caixa de correio como um “(…) evento pós-punk em torno da cultura visual do sistema VHS (…)” e eu cantarolava: VIDEO KILLED THE RADIO STAR. À chegada, deparo-me com o Nimas vestido de vermelho; usava um extintor como adereço e gritava alto e a bom som: é proibido proibir! O punk representado na sua forma mais básica pela enfermeira de bata branca angelical e agulha diabólica, fez soar campainhas. Abandonava o hit dos The Buggles e ouvia agora os The Clash. “Lisbon was burning”!

De forma mais ampla e abrangente recordava o tema do ciclo, o VHS. Os anos 80 ali expostos sob o formato da cassete, aquela mágica fita magnética, grande ícone da era do pré-digital, capaz de gravar som, imagem e movimento. Haviam, no entanto, outras marcas duma época que fervilhou: as pinball e claw vending machines, cujo brinde, FRÁGIL, era à base de ovos, a bandeira americana com o desafiante: “what exactly could you?” ou “I want you gringo!” e, no centro da sala, a famosa Famel – “I can’t think of a better way to spend the night, then speeding around underneath the yellow lights.”

Tal qual uma cassete já gasta transformada em fios de esparguete, a minha cabeça ouviu ao longe algo a chamar. Eram quase dez da noite e o espectáculo ia começar. Ainda com o copo na mão, sentei-me num dos bancos das filas de trás e ali fiquei, a observar. O ambiente era familiar. As cabeças moviam-se em direcção à régie, expectantes do que ali se passaria. Na tela, um cigarro. Durante quatro minutos toda a plateia fumou um pensativo cigarro, aguentando sempre até ao filtro, sem que uma única cinza caísse ao chão.

O ciclo multidisciplinar de instalações, performances e concertos, entre outros, falava diferentes línguas e no entanto uma única linguagem. Eles eram 42 artistas portugueses, durante 11 dias, no espaço Nimas.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This