Iron & Wine @ Tivoli Lisboa (1-11-2015)

Iron & Wine @ Tivoli Lisboa (1-11-2015)

Eu, Sam Beam, pecador, me confesso

A noite de estreia da 6ª edição do Misty Fest coincidiu com a estreia de Iron & Wine em palcos lusos. E Sam Beam, o homem, a voz, a alma por detrás deste nome artístico, deu imediatamente o corpo às balas, e mostrou que vinha disposto a recompensar o público que preenchia generosamente o Teatro Tivoli por tamanha falha nos carimbos do seu passaporte.

Sam Beam permitiu que o público construísse a setlist deste concerto, e a ávida plateia prontamente começou a disparar sugestões, dando azo a um autêntico buffet de Iron & Wine, como o próprio cantautor referiu.

«Trapeze Swinger» e «Boy With A Coin» foram das primeiras solicitações que previsivelmente ecoaram no Tivoli.

Obviamente que o cantor da Carolina do Sul também teve direito a fazer algumas escolhas no alinhamento. Entre estas escutámos «The Backwater Birds», um tema estreado recentemente ao vivo, ou o enternecedor «Joy», uma das favoritas de Sam, segundo confessou.

Reza a lenda que Sam Beam iniciou a carreira com um cantar sussurrado para não acordar a criança recém-nascida que tinha em casa. Mito ou não, a verdade é que neste concerto, em que se apresentou sozinho em palco, comprovámos a evolução vocal do homem de Iron & Wine.

O exemplo maior foi indiscutivelmente dado no encore, preenchido apenas com uma música, mas que terminou a homilia: «Flightless Bird, American Mouth» interpretado praticamente a capella, apenas com um toquezinho final nas cordas para não perder o tom no meio de tão brutal trabalho.

Uma evolução que tem ocorrido paralelamente a um adensar do próprio som das suas composições, notória mesmo neste espectáculo acústico, onde as canções mais recentes apresentam-se menos lineares que aquelas que pontuaram o início da carreira.

«Lovers’ Revolution» é um excelente exemplo desta trajectória, que em certos pontos mais parece um monólogo teatral, trazendo à memória prestações épicas como aquela de Andrew Bird costuma oferecer em «Why?», por exemplo.

Por entre discos pedidos e as escolhas do próprio, a noite do Tivoli acabou por não só percorrer todos os álbuns de Iron & Wine, (inclusive a mais recente colecção de canções guardadas na gaveta, “Archive Series Volume No. 1”), como também a série de EPs assinados pela banda liderada de Sam Beam (incluindo o magistral registo a meias com os Calexico, “In The Reins”).

Com tamanha empatia entre as duas partes e a forma enfática como abriu esta edição do Misty Fest, abandonámos o anfiteatro crentes que Iron & Wine regressará mais frequentemente a Portugal após este primeiro encontro cheio de paixão.

Fotografia por Graziela Costa

Alinhamento

• «Upward Over The Mountain»
• «Jesus The Mexican Boy»
• «Trapeze Swinger»
• «Boy With A Coin»
• «Belated Promise Ring»
• «Lovers’ Revolution»
• «Rabbit Will Run»
• «The Backwater Birds»
• «Tree By The River»
• «Love Vigilantes»
• «Caught In The Briars»
• «Me and Lazarus»
• «Jezebel»
• «Naked As We Came»
• «Two Hungry Blackbirds»
• «Joy»
• «He Lays The Reins»
• «Flightless Bird, American Mouth»



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This