Teatro Rápido Abril 2014

Teatro Rápido | Abril 2014

Direito por linhas tortas é o tema do mês em que se comemora a liberdade de expressão e a democracia.

Nos 40 anos do 25 de Abril, o Teatro Rápido (TR) abre as portas das suas quatro salas para nos brindar com emoção, perguntas, risos e todas as outras “consequências” de sermos um país democrático, com liberdade de expressão. Um país onde posso escrever direito, ainda que o faça em linhas tortas.

Venham daí conhecer as propostas que um naipe de excelentes dramaturgos, encenadores, cenógrafos, actores e criadores prepararam para si.

SALA 1 – [40]
Horário das sessões: 18h00 | 18h30 | 19h00 | 19h30 | 20h00 – de quinta a segunda | M/12 | 3€

Lourenço Henriques regressa ao TR com um texto poderosíssimo. Curiosamente, regressa à sala 1, no mês de Abril, onde há um ano habitaram dois homens, prisioneiros de um lugar inquieto.

Desta vez, Joana Figueira e Pedro Oliveira dão corpo a duas personagens que dialogam entre si, sem que troquem propriamente muitas palavras.

A democracia e a ditadura confrontam-se. Têm praticamente a mesma idade e “nem toda a gente chega aqui” – entenda-se, a esta idade. Um homem e uma mulher que se encontram, que acordam lado a lado, “tão parecidos”. Quem é quem? Quem censura quem? Quem é livre? Que cicatrizes estão ainda por sarar? Que novas feridas se abriram?

[40] resulta num processo de questionamento relativamente ao percurso de um país, de seu nome Portugal – não se preocupem se abandonarem a sala 1 com muitos pontos de interrogação na cabeça, dentro dos bolsos, na carteira.

Na sala 1 podemos, ainda, encontrar um excelente trabalho de cenografia, que prima pela simplicidade e originalidade. Parabéns, Rui Miragaia.

Texto: Lourenço Henriques | Encenação e Espaço Cénico: Rui Neto | Interpretação: Joana Figueira e Pedro Oliveira | Luz: João Rafael Silva | Caracterização: Tatiana Araci | Cenografia em Ferro: Rui Miragaia

 

SALA 2 – Check Mater
Horário das sessões: 18h05 | 18h35 | 19h05 | 19h35 | 20h05 – de quinta a segunda | M/12 | 3€

A Sandra José não escreve com as mãos, como nós. Não se senta em frente ao computador para teclar um texto. A Sandra escreve de peito aberto; é o coração que diz aos dedos o que deverá colocar no papel. Além disso, a Sandra escolhe a dedo os actores a quem entrega as suas palavras, que escorrem sangue e dor. Assim aconteceu com C10H14N2 e com este projecto, Check Mater, onde Susana Vitorino é uma Maria que fala com “a” outra Maria.

Assistimos a um monólogo dialogado entre duas mães que perderam os seus filhos: o divino e o terrestre chocam-se. Joga-se um xadrez em que a derrota acontece, ensopada em lágrimas de incompreensão, com uma dor do tamanho do mundo. Derrota.

A Vitória viveu(se) durante muito pouco tempo e no seu lugar mora uma dor sem tamanho. Por ter nascido do lado esquerdo, permanecerá sempre no coração de quem não a esquece.

Texto: Sandra José | Interpretação e Encenação: Susana Vitorino | Direção de Atores: Luísa Ortigoso | Assistente de Produção: Barbara Rocha | Comunicação: Miguel Satúrio Pires | Grafismo e Imagem: Luís Covas

SALA 3 – O Culpado
Horário das sessões: 18h15 | 18h45 | 19h15 | 19h45 | 20h15 – de quinta a segunda | M/12 | 3€

«O mundo está organizado contra mim – é a única explicação possível!» – este é o mote para a divertida peça da sala 3, onde podemos encontrar Carlos Martins da Fonseca e Tiago Peralta, bem como Laura L. Tomaz (de regresso ao TR!).

Álvaro Faria encenou e escreveu um texto onde se caricatura uma série de atitudes nas quais tropeçamos todos os dias. A vida corre-me bem, mas há sempe algo que corre mal. Se ao menos isto, se ao menos aquilo. Será que tenho uma vida normal? As coisas correm-me mal – e eu vou encontrar o culpado de tudo isto. “Tem que haver um culpado!”
E se o culpado estiver mesmo à nossa frente – e se chegarmos a esta conclusão perante um espelho que nos reflecte?

Teatro Rápido Abril 2014 - SALA 3 – O Culpado

Texto e Encenação: Álvaro Faria | Interpretação: Carlos Martins da Fonseca, Tiago Peralta e Laura L. Tomaz | Produção Executiva e Cenografia: Laura L. Tomaz | Direção Técnica: Tiago Peralta | Cartaz, imagem e Comunicação: Paula Tomás | UMA PRODUÇÃO – TEATRO A TIRACOLO

SALA 4 – Direito ao Assunto
Horário das sessões: 18h20 | 18h50 | 19h20 | 19h50 | 20h25 – quinta a segunda | M/16 | 3€

Uma sala, um interrogatório. Uma jovem mulher e um inspector experiente. Uma história, duas versões muito diferentes. «Vamos fazer um jogo?» – pergunta o inspector, protagonizado por Carlos Alves. Do outro lado da mesa, Ana Campaniço é um jovem mulher que transpira medo por todos os poros.

Afinal, onde está a verdade? E de que forma é que podemos ultrapassar a cegueira que não nos deixa ver as coisas tal qual elas são?

Como colocar em palavras o acontecimento mais terrível da nossa existência? Aquilo que tanto queremos esquecer e lavar – do corpo e da alma?

Carlos Alves assina a autoria do texto e a encenação desta peça que (pre)enche a sala 4 de emoção, algo que se deve ao trabalho desta dupla de actores que nos surpreendeu pela positiva.

Teatro Rápido Abril 2014 - SALA 4 – Direito ao Assunto

Autoria: Carlos Alves | Encenação: Carlos Alves e Ana Campaniço | Elenco: Carlos Alves e Ana Campaniço

 

Em Abril, teatro mil. Mais uma vez encontramos propostas com muita qualidade e criadores capazes de nos transportar para outro(s) mundo(s) em apenas 15 minutos.

Para conhecer a restante programação do TR,durante o mês de Abril, sugerimos uma visita ao blog



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This