Gonçalo Waddington e Isabel Abreu fazem a “revolução” no TeCA

“Esta peça não foi aprovada. Esta peça é politicamente tendenciosa. Esta peça ataca as instituições da sociedade, evocando imagináveis repressões e perseguições políticas”. Estas são algumas das razões, encontradas por Tiago Rodrigues na Torre do Tombo, que os censores do Estado Novo utilizavam para proibir certos espetáculos de teatro. Mais de quatro décadas depois da revolução do 25 de abril, Três Dedos Abaixo do Joelho reflete, de forma sarcástica, sobre o período da ditadura portuguesa. A criação da companhia Mundo Perfeito, integrada na programação do FITEI, pode ser vista no Teatro Carlos Alberto (TeCA), no sábado, dia 20 de junho, às 18h00.

Em Três Dedos Abaixo do Joelho – título que ironiza o comprimento de saia aceitável –, Gonçalo Waddington e Isabel Abreu ocupam um palco onde se vê mobília coberta de plástico, como se a viagem estivesse para breve, e uma parede coberta de papéis e fotografias coloridas. A peça, enquanto transforma os censores em dramaturgos, explora a “liberdade artística e política do teatro” para ajudar o espectador a “redescobrir o perigo e a importância do teatro na sociedade”. Três Dedos Abaixo do Joelho, estreou-se em 2012, em Lisboa, e conta com o apoio do Programa Cultural da União Europeia. Os bilhetes custam 10 euros.

 

Espetáculo: Três Dedos Abaixo do Joelho, integrado no FITEI
Data: sábado20 de junho
Local: Teatro Carlos Alberto, Porto
Preço: 10 euros
Horário: 18h00



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This