rdb_peloprazer_header

“Pelo prazer de a voltar a ver” @ Teatro Aberto

Uma história que também é a nossa

“Será que os actores pensam em nós e nos imaginam, ou nós somos apenas aquela lente escura e vazia? Será que se interessam pelos espectadores ou estes deixam de existir a partir do momento em que saem do teatro?”

O teatro fala-nos ao ouvido: vai sussurrando (com a sua linguagem própria) aquilo que nos quer dizer. E por vezes, para isso, nada melhor do que levar a realidade ao teatro (ou o teatro à realidade).

Contamos assim, com a primeira encenação de Marta Dias (que colabora com o Teatro Aberto desde 2007) e que logo numa primeira abordagem se identificou com o texto. Toda a experiência foi um desafio interessante, desde a adaptação do texto para Português às escolhas de encenação feitas.

Esta peça fala de uma mulher, uma mulher que podia ser qualquer uma de nós, uma mulher “universal, que viveu em todos os tempos e todas as culturas” – uma mãe.

Esta mãe surge-nos na peça como a mãe do autor, Michel Tremblay, mas também a dos espectadores, que são levados a identificar-se com alguns apontamentos do texto e da própria encenação.

O que aparenta sugerir um quotidiano cinzento, enche-se de vida e cor trazidas por esta mulher de grande imaginação, apaixonada pelas histórias dos romances que devorava, sonhadora e teimosa… enfim… uma mulher de ideias feitas!

Ao longo de uma viagem repleta de memórias marcadas sempre pela particularidade e carisma de uma mãe, vamo-nos apercebendo da sua complexidade interior “mascarada” de histórias, hipérboles e uma grande capacidade de sonhar: “As coisas nunca são interessantes se as descreves como elas realmente são”.

Mas estas divagações e histórias tornam-se por vezes incompreensíveis e difíceis de interpretar. Ainda assim são a maior fonte de inspiração do filho.

Ela fê-lo sonhar demasiado. Ele está-lhe eternamente grato.

Reportagem fotográfica por Rita Sousa Vieira disponível aqui.

Ficha artística
Versão, Dramaturgia e Encenação Marta Dias
Cenário Rui Francisco
Figurinos Bernardo Monteiro
Realização Vídeo Nuno Neves
Luz Tasso Adamopoulos

Com Luís Barros | Sílvia Filipe

ESPECTÁCULOS
Até 27 de Maio, de 4ª a Sábado às 21h30
Domingo às 16h
M/12

BILHETEIRA
4ª a sábado das 14h às 22h00; domingo das 14h às 19h



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This