rdb_inkomati_header

The Inkomati (dis)cord

Um espectáculo. Duas críticas.

Demissionismo Social

Boyzie Cekwanae Panaíbra Gabriel Canda são ambos criadores africanos, ambos vizinhos geograficamente, ambos com uma vontade de mergulhar nas suas referências e de contar as suas próprias histórias. Ambos estiveram dia 23 de Maio (e dia 24), no São Luiz – Teatro Municipal com “The Inkomati (dis)cord”. Foi com este espectáculo que arrancou a edição 2012 do Alkantara Festival.

O Acordo Inkomati (fracassado pacto de não agressão assinado a 16 de Março de 1986 pelo presidente moçambicano Samora Machel e o presidente sul-africano PW Botha) serve como ponto de partida para esta colaboração que condensa e, depois, subverte, conceitos e experiências.

Em palco, evitando o literal e o cliché, os corpos lutam, de forma agressivamente rigorosa, contra camadas de resíduos do pós-colonial e de equívocos culturais e expectativas. Todos têm uma perspectiva sobre a história e a necessidade de a reescrever. Ali retalham-se preconceitos, colapsam-se identidades (culturais e históricas), enquanto se lida com linguagem física, linguística e estética.

Contrapondo tudo isso, deparamo-nos com interrogações sobre percepções que cada um tem sobre o País e a cultura do outro num cenário pós-guerra e pós-apartheid. Encontramos paradigmas que revelam um continente (ou mesmo um mundo) em perene carência e uma sociedade em sempre eterna indolência.

Na cena final, uma mulher ligada e amordaçada com fita adesiva tenta contar uma história (a dela e de muitas outras a quem não se deu voz), mas a sua voz e corpo estão bastante extenuados, restando-lhe apenas a hipótese de se exprimir contorcendo o corpo e emitindo gritos abafados.

A seu lado suavizam-se factos, para uma sociedade que teme em procrastinar uma reflexão sobre como se ser um indivíduo (e a sua própria definição) perante um ambiente envolvente como o presente.

No fim, apenas corpos devastados por conflitos pessoais num universo muito próprio, que tentamos crer como distante. Tanto para a democracia.

Miguel Stichini

 

Passados dez anos do primeiro encontro de Boyzie e Panaibra, precisamente em Lisboa, ”The Inkomati (dis)cord” chega não em estreia mundial, mas com as honras de abertura para a primeira noite do Alkantara Festival.

Falar de Moçambique é falar de Samora Machel. Falar da África do Sul é falar do Apartheid e de P.W. Botha. Falar de ambos é falar sobre “Inkomati”. Falar de tudo isso em 2012 é, inevitavelmente, falar de Boyzie Cekwana e Panaibra Canda.

O público entra na sala e o desconforto sente-se à partida quando temos quatro personagens a olharem-no através de dois buracos circulares numa folha de papel.

Os actores começam por deambular pelo palco em movimentos rígidos e mecânicos onde a importância do momento recai na força do método acção/reacção ritmados pela troca insistente das máscaras de papel entre os actores. O momento é constituído por uma linguagem abstracta, onde o absurdo e o emocional são trazidos para um mesmo plano sobre a forma de monotonia e ausência de texto. Uma experiência que é, propositadamente prolongada até à fronteira da angústia para deixar bem saliente no mundo sensorial da plateia o tempo que se esperou por algo que falhou.

A monotonia quebra-se e passamos agora a ver os quatro corpos dispostos perante uma moldura que está mais para o desejo de se cumprir no protocolo do que para a vontade de se fazer cumprir o acordo. A desconfiança que sabemos ter existido faz força para não cumprir aquele retrato, mas sabemos que tudo vai correr bem quando uma das actrizes é despojada da moldura e atirada contra o chão. O retrato é quebrado e inicia-se o desbravar do caminho em busca de um futuro expectante. Esse percurso tem até ao fim um «Hello» pontual que marca a fronteira entre as assinaturas que dizem haver um compromisso e as folhas que manipuladas pelo Homem caem no chão. É um corpo sozinho em fundo de cena. Talvez o único a querer que o acordo se cumpra e que a pausada largada de folhas de papel com olhos não passe de uma mudança de figuras e de demarcação do tempo. Aquele corpo preciosamente estático, que é paralelamente o mais fluente do espectáculo, é tão admirável que centrarmo-nos nele é como estarmos horas a olhar para um rio que não se preocupa por onde passa, apenas corre.

Se é percetível que há uma realidade actual por cumprir, aqui, há uma vertigem interior de uma contemplação estática que se impõe e que é para sentir.

Definir um estilo no qual se pudesse inserir esta criação era potencialmente cair no erro. “The Inkomati (dis)cord” é um território de exploração de várias linguagens performativas. Ora estamos numa dimensão de teatro mais convencional com o texto, ora de performance nos silêncios , ora de teatro físico na coreografia. E, numa narrativa que é também coreográfica, o importante não se centra tanto na disciplina do discurso, mas sim, na virtuosidade que o redondo dos corpos e os sinais sonoros transbordam. Não falamos de algo muito complexo tecnicamente, mas sim, de algo exigente fisicamente para corpos que acima de tudo querem ser o contrário de viver no passado.

Uma construção que, sem nunca deslizar, encara os corpos como palavras e, através deles, estrutura sabiamente um jogo de tensões entre a condição humana e o poder político presente várias vezes ao longo do espectáculo pelo discurso de Samora Machel. Os mesmos corpos que cansados da tentativa e gastos no suor do esforço procuram penosamente reclamar a sua pertença ao mundo.

A caminho do fim do rio, há ainda um jogo do “passa palavra” como enfatização para o silêncio imperativo de uma voz que é coro de dois povos aos quais não deram voz, e onde a manipulação dos factos reais é feita a três tempos para uma sob aproveitada liberdade que começa numa boca oprimida por fita adesiva.

Dar o nome de algo que é fluente a um acordo estagnado é uma metáfora quase irrisória.

Mas quem sobre isso tem um folego para não dizer que isto é assim, mas para imaginar que pode ser ou devia ser de outra maneira é porque garantidamente tem a urgência em mudar a habitabilidade no passado e, em tempo linear, estimular a necessidade de construir o futuro.

O palco não é um território neutro e no fim o que resta, é uma lanterna de capacete que se apaga em início de linha.

Estamos cada vez mais longe da condição política e cada vez mais próximos da margem, o rio que passa tem de ser um Homem com voz. «É preciso abanar a árvore. É preciso sacudir a árvore. É preciso abanar a árvore, sacudir a árvore».

 

Luis André Sá



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This