rdb_alexgopher_header

Alex Gopher

Where's the party at?

Era conhecido por Alexis Latrobe e ia editar o seu primeiro EP. Inspirado pela série “Love Boat” (“O Barco do Amor”), acabou por chamar a esse disco “Gopher EP”, sendo esse o nome duma conhecida personagem da série. A partir daí o nome colou, ficou conhecido por Alex Gopher.

Mas, voltando atrás. Tinha 15 anos quando entrou para a Escola Secundária Jules Ferry, onde conheceu Nicolas e o Jean-Benoît. Nicolas ensinou-lhe a tocar um pouco melhor baixo, e decidiram formar os Orange, que idealizavam como uns “David Bowies do Funk”. Na banda aperfeiçoou não só os seus dotes de baixista mas também os dotes de técnico de som. Pouco depois a banda deixava de existir e os seus dois companheiros formam uma banda que mais tarde viria a ter bastante sucesso, os Air.

Tinha gravado durante este período algumas bandas, uma delas, os Louba, onde dois amigos seus, Pierre-Michel Levallois e Etienne de Crécy, tocavam. O segundo foi presença deste ano no Sudoeste com o seu espectáculo audiovisual incrível (quem lá esteve e não reconhecer o nome, pense em “cubo luminoso gigante”).

Quando Etienne de Crécy forma com Phillipe Zdar (Cassius) os Motorbass dá-se um clique em Alexis e decide ele também começar a fazer demos e até formar uma editora. Fá-lo com os seus amigos Levallois e Crécy, formando em conjunto a Solid. E foi nessa editora que saiu o “Gopher EP”. Apesar de no segundo 12”, lançado na editora Holandesa Aspro, ele assinar como Alex, as pessoas habituaram-se ao nome pelo qual hoje conhecemos, e assim ficou.

Depois do Acidjazz dos primeiros lançamentos, começa a apaixonar-se pelo lado técnico do techno e é assim que em 1996 e 1997 se apresenta em “Este-ce une Gopher Party, Baby?” e “Gordini Mix”.

Mais tarde, vê-se envolvido pelo que viria a ser caracterizado como House Francês, o French Touch. Etienne de Crécy tinha um projecto, o Super Discount, no qual Alex é convidado a participar e produz duas músicas. Nesse ano colabora também com os Air no seu primeiro disco.

Até ao Y2K teve vários lançamentos, mas foi o disco “You, My Baby and I” que teve mais atenção, e foi na tour deste disco que começou a fazer noites como DJ e a aperfeiçoar a sua técnica.

Devido a este disco, é em 2000 convidado pela Yves Sait Laurent a escrever músicas para um desfile, uma das quais com Catherine Deneuve a cantar. Em 2002 faz com Demon um projecto mais electro, os WUZ, e em 2004 volta a acompanhar Etienne de Crécy no segundo volume da Super Discount.

Depois do trip hop, house, electro e techno dos projectos anteriores, decide experimentar algo diferente, chama o seu cúmplice do costume… Etienne de Crécy, e faz um disco pop rock com influências new wave e electro, um pouco como a sua primeira banda, os Orange, mas actualizados. Apesar disto, não deixou de lançar na sua editora singles electro como “Aurora”, mantendo a sua vertente mais “club” em aberto.

Este Outono lançará “My New Remixes”, com remixes de projectos como WhoMadeWho, Ladyhawke e Kraftwerk. É algo que ele faz desde 1996, e esta é a primeira oportunidade de tê-los num só disco.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This