CP#1 A Streetcar Named Desire

A Streetcar Named Desire.

Serve este texto para vos aconselhar não só um filme, mas para lerem uma peça, uma das grandes peças do teatro norte-americano.

Uma boa adaptação surpreende-nos e evita falas longas, substituindo-as por mais acção. Tenessee Williams escreveu o que Kim Hunter, actriz que desempenha o papel de Stella Dubois, diz ser um apelo das pessoas frágeis. Elia Kazan adaptou a peça para cinema, não esquecendo os cuidados com a luz, as descrições das personagens, quase todos os pormenores da peça e enriquecendo-a com momentos de acção, que quase nos fazem estender a mão para ajudar ou castigar as personagens da tela.

“Um Eléctrico chamado Desejo” é um tratado sobre o desejo sexual e os efeitos que o mesmo tem nas pessoas, sobre as atracções que nos fazem agir inconscientemente. Blanche apanhou esse eléctrico e, por isso, vai parar a casa da irmã, onde não deseja estar, onde não é desejada, dependendo sempre da bondade de estranhos, como Stanley.

As interpretações do filme são tão fortes que é como se Tenessee Williams, quando escreveu a peça, estivesse a pensar em Vivien Leigh e Marlon Brando para os papéis de Blanche e Stanley. As suas descrições correspondem exactamente ao que ele havia imaginado. Elia Kazan pensou cuidadosamente em todos os pormenores.

O físico de Stanley era uma das suas características mais importantes, uma vez que fazia Stella, uma mulher com um background totalmente diferente do dele, enlouquecer de paixão e perdoar-lhe toda a sua vulgaridade e bestialidade. Assim, foi criada uma T-Shirt à medida do corpo de Marlon Brando, para que os seus músculos estivessem perfeitamente realçados. Há também que referir que Vivien Leigh está numa fase muito perturbada da sua vida e aqui vemo-la muito diferente da Scarlett O’Hara forte e decidida de “E Tudo O Vento Levou”, sendo na mesma medida uma performance notável.

Ver o filme não é suficiente e eu explico-vos porquê. Em 1951, estamos numa altura em que a censura nos EUA é muito forte e ele não termina da maneira que deveria terminar, da maneira que Williams idealizou. A principal personagem da peça é o Desejo, é o que este nos faz fazer, é o que ele provoca em nós e na peça o Desejo vence, enquanto no filme, a maldade é castigada…

Percam-se na New Orleans de meados do século XX e vejam uma heroína erguer-se da própria desgraça que ela fez com que se abatesse sobre ela. Um clássico realizado por Elia Kazan, que, apesar das suas polémicas, não deixa de ser um génio do cinema!



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This