Fundação We Are Water inaugura exposição “As Vidas da Água”

Fundação We Are Water inaugura exposição “As Vidas da Água”

A exposição narra a importância dos recursos hídricos no Níger

No âmbito das comemorações do Dia Mundial da Água, proclamado pela Assembleia Geral das Nações Unidas e que será celebrado no próximo domingo, dia 22, a Fundação We Are Water inaugurou hoje a exposição “As Vidas da Água”, em colaboração com a organização Médicos Sem Fronteiras e com fotografias de Juan Carlos Tomasi.

Na inauguração, estiveram presentes Juan Carlos Tomasi, fotojornalista e autor do trabalho fotográfico, e Susana Oñoro, jornalista e atual Communication Officer do Níger. Para Juan Carlos Tomasi “nos países em desenvolvimento, ter ou não acesso à água é a diferença entre a vida e a morte. Em pleno século XXI, derivado a vários fatores como as más políticas dos governos e a gestão dos recursos, a morte de uma criança por falta de acesso à água é um assassinato, é um crime. É muito importante que as pessoas venham ver a exposição, porque vão-se dar conta de como o acesso à água pode modificar as estruturas de uma população e permite que diferentes doenças tenham consequências irreversíveis numa comunidade”.

Segundo Susana Oñoro, “hoje em dia, a cada 20 segundos, morre uma criança por problemas relacionados com o consumo de água, o que quer dizer que 2 milhões de pessoas morrem por ano por doenças devidas à má gestão de água. Nesse sentido, em nome da Médicos Sem Fronteiras, quero agradecer à Fundação We Are Water e ao Roca Lisboa Gallery, pela possibilidade de mostrar, através desta exposição, o trabalho que a Médicos Sem Fronteiras tem desenvolvido no Níger, que está muito relacionado com a saúde das crianças menores de 5 anos e mulheres grávidas, e com a gestão da água”.

A falta de água, a água de má qualidade, a água motor da agricultura e do desenvolvimento, a água aliada dos mosquitos e da malária, a água que alivia a sede, que dá de comer, que limpa ou contamina, que cura ou mata. É sob estas premissas que a exposição “As Vidas da Água” narra a importância deste elemento no Níger: marca o dia-a-dia da população, com especial enfoque sobre as crianças mais pequenas, uma vez que são as primeiras pessoas a sofrerem com a ausência de água.

Neste país do Sahel, de chuvas erráticas e caprichosas, a água tem muitas vidas: a alimentação, o bem-estar e a saúde dependem do acesso a água de boa qualidade. No Níger, centenas de milhares de crianças sofrem, ano após ano, de subnutrição aguda severa e malária, duas doenças que convivem entre si durante os meses mais críticos para as famílias, quando já esgotaram os produtos da colheita anterior e ainda não colheram os da que se segue. A organização Médicos Sem Fronteiras trabalha há anos no sentido de fazer face a esta crise crónica e reduzir a morbilidade e a mortalidade das crianças menores de 5 anos.

 

O olhar magistral do fotojornalista Juan Carlos Tomasi foca a vida quotidiana dos habitantes da zona rural da região de Tahoua, no sul do Níger, onde as diferentes vidas da água ditam o destino de milhares de pessoas.

 

A exposição estará patente no Roca Lisboa Gallery até maio de 2015 e a entrada é gratuita.

O Roca Lisboa Gallery está aberto ao público de segunda a sexta das 10h às 20h e sábado das 10h às 17h (encerra ao domingo).



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This