“Cuidar de Frankie” | Maeve Binchy

“Cuidar de Frankie” | Maeve Binchy

Para leitores que gostam de levitar

Cuidar de Frankie”, da autoria da irlandesa Maeve Binchy (Bertrand Editora, 2013), conta-nos a história de um pai solteiro que tenta criar uma criança, cuja gestação lhe passou ao lado. As numerosas páginas sucedem-se, injustificadas, numa prosa que parece não ter fim, a menos que seja adepto da literatura dita “light”. Se for esse o caso, “Cuidar de Frankie” fá-lo-á levitar. Mas há um aspecto que é inegável: o optimismo inflexível da autora, apesar das ocasionais injecções de realidade, faz com que a leitura de “Cuidar de Frankie” seja uma experiência reconfortante.

Noel Lynch contenta-se em gastar os dias num trabalho pouco exigente em Dublin e os serões a beber para esquecer o seu tépido e insípido quotidiano. No entanto, a sua vida perde toda a neutralidade quando uma antiga paixão lhe comunica que vai morrer, mas não sem antes dar à luz o seu filho.

Apesar de a notícia abalar Noel, a presença de Emily – a prima recém-chegada dos EUA -, uma mulher que consegue instalar a serenidade por onde quer que seja que passe, amortece o embate. Juntamente com Lisa – uma artista gráfica eternamente solteira e apaixonada por Noel – e o médico local, Emily revela-se também uma ajudante preciosa com o bebé. Sempre que surge um contratempo, há igualmente uma mão amiga para amparar Noel. Decidido a estar à altura das circunstâncias, deixa de beber, retoma os estudos e transmuta-se em pai dedicado.

Tudo dito e arrumado? Nada disso. Uma rigorosa assistente social, de seu nome Moira, recusa-se a acreditar numa efectiva mudança de Noel. Na sua opinião, ele está a um copo de distância de negligenciar a sua filha e insta todos os elementos do seu círculo íntimo a admitir que Noel não tem condições para assumir a paternidade. Dadas as circunstâncias, as reservas desta assistente social não são infundadas.

Moira, a personagem mais convincente, estruturada e matizada de “Cuidar de Frankie”, apesar de, aparentemente, ser a vilã da história, tem um bom coração, mas o seu passado embota a sua emoções, o que a impede de ver a força que sustenta a família improvisada de Noel. É provavelmente ela que nos proporciona o momento mais emocionante do livro.

Dir-se-ia que Maeve Binchy é demasiado complacente com as personagens de “Cuidar de Frankie”, tornando-as muito estanques nas funções que desempenham na história e, em consequência disso, demasiado previsíveis numa trama sem obstáculos, atritos e de reduzida surpresa para o leitor. Mas não sem revestir os alicerces da narrativa de improbabilidade. Pode um alcoólico ser tão temperado como Noel? E Lisa foge da sua própria casa para ir ao encontro de um sensaborão que precisa de ajuda para cuidar da filha bebé? Humm…



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This