Dez Anos é Muito Tempo

Dez Anos é Muito Tempo

Os destaques do mundo da música na semana de 14 de Julho de 2004

Lá Fora

– Um CD que contém as novas canções dos U2 desaparece.

– A Philips anuncia o Micro Jukebox hdd070, com o objectivo de rivalizar o iPod.

Em Portugal

– The Cure, Peter Gabriel, The Chemical Brothers, Bob Dylan, PJ Harvey e Macy Gray actuam no Festival Vilar de Mouros.

– The Roots cancelam e Snow Patrol são confirmados no Festival Paredes de Coura.

Disco da Semana

Rogue Wave | “Out of Shadow”

Em 2004, enquanto o homónimo dos Franz Ferdinand inspirava meio mundo, “Chutes Too Narrow” dos The Shins assumia-se como modelo de uma pop mais bem comportada, mais devedora do legado dos Beach Boys, com melodias cuidadas e harmonias perfeitas. Depois de “The Slow Wonder” de A.C. Newman, também “Out of Shadow” dos Rogue Wave deve muito limada da banda de James Mercer. Do psicadelismo à folk mais pastoral, a estreia de Zach Rogue veio provar, mais uma vez, que um tipo deprimido vale muito mais do que dois ou três de bem com a vida.

Outros álbuns editados

Sparta | “Porcelain”
They Might Be Giants | “The Spine”
The Roots | “The Tipping Point”
The Polyphonic Spree | “Together We’re Heavy”
Ashlee Simpson | “Autobiography”
Static-X “Beneath… Between… Beyond…”

Obituário

– Morre Arthur Kane, baixista dos New York Dolls, vítima de leucemia.

Citações

– “Pessoalmente, não tenho nada contra o Michael Moore, mas, nas suas entrevistas, sinto que estou a ser alvo de bullying – apenas porque não lhe dei o que ele queria.” (Pete Townshend, mentor dos The Who, na sequência da recusa da utilização de “Who Get Fooled Again”, no documentário “Fahrenheit 9/11”)

– “Se ficar feito numa semana, tanto melhor. Quanto mais rápido melhor.” (Julian Casablancas, sobre o terceiro álbum dos The Strokes)

– “Não será um álbum pessimista, claro. Mesmo a canção mais depressiva dos R.E.M. terá um pouco de esperança. Mas algumas coisas neste disco são mesmo hardcore e bastante políticas.” (Michael Stipe, vocalista dos R.E.M. sobre o novo álbum)

– “Havia uma versão da «Dry Your Eyes» em que eu cantava o refrão, mas eu disse-lhe que a minha versão não era tão boa como aquela em que ele cantava.” (Chris Martin)



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This