rdb_festroia2010_header

FESTROIA 2010

Histórias de Amor e Guerra do passado ao contemporâneo.

A 26 ª edição do Festroia – Festival Internacional de Cinema de Setúbal, proporcionou uma grande amálgama de cinema de qualidade, tanto de realizadores já consolidados como jovens promessas, com especial destaque para a produção europeia. O Festival apresentou várias categorias, entre as quais a Secção Oficial, Histórias de Resistência, Primeiras Obras e Curtos Europeus.

Secção Oficial

Desta secção o filme a destacar é sem dúvida “All That I Love” que desenrola-se na Primavera de 1981 na Polónia. Uma onda de greves, organizadas pelo Solidariedade assola a Polónia e o Partido Comunista prepara-se para impor uma lei marcial. Neste universo assistimos à coexistência entre um rígido regime político e um grupo de jovens que expressam a sua rebeldia através da música, mais concretamente através de uma banda punk rock formada por quatro amigos adolescentes Janek (Mateusz Kosciukiewicz), Kazik (Jakub Gierszal), Staszek (Mateusz Banasiuk), Diabel (Igor Obloza).

O protagonista e vocalista da banda, Janek, o jovem actor Mateuusz Kosciukiewicz, traz-nos a frescura e a vivacidade que pede a sua personagem, ironicamente tem um pai (Andrzej Chyra) militar ao serviço do regime comunista, apesar de na sua vida familiar não seguir essa filosofia.

Realizado e escrito por Jacek Borcuch, que além de realizador, guionista é também actor. “All That I Love”, é um belíssimo filme que nos fala de amor, censura, rebeldia e descoberta.

Histórias de Resistência

“Tears of April” decorre em 1918 durante a guerra civil na Finlândia e é uma adaptação ao cinema de um romance de Leena Lander.

A trama inicia-se com uma batalha entre “vermelhos” (sociais democratas) e “brancos” (conservadores). Mina Malin (Phila Viitala), combatente dos “vermelhos” é capturada por Aaro Harjula (Samuli Vauramo), um idealista que em vez de matá-la resolve levá-la a tribunal para que possa ser julgada.

Este filme, mostra-nos um retrato de como situações extremas transformam os homens, muitas vezes perdendo a própria humanidade. Neste contexto de guerra são colocados à prova os limites do amor. “Eu sou muito romântico… acho que ainda é possível nos tempos de hoje”, disse o realizador Aku Louhimies, repetente no Festróia e com uma carreira de seis anos.

Assistimos a extraordinárias interpretações, principalmente da protagonista feminina Mina Malin, a actriz Phila Viitala, cuja expressividade apenas através do olhar nos faz ansiar por mais.

Curtos Europeus

A curta-metragem “Channel”, realizada por Zoran Sudar fez parte do ciclo “Zagreb Stories”. Conta-nos a história de um rapaz cigano, Vejsil (Adnan Roma) que decide voltar a estudar após ter participado numa peça televisiva, em que o jornalista elogiou os seus dotes artísticos. É uma história triste, muito rica emocionalmente, que nos consegue prender à personagem e partilhar os obstáculos que esta vai atravessar. Destaque para o jovem actor Adnan Roma, protagonista de uma interpretação verdadeira e desarmante.

Primeiras obras

O filme “Men on The Bridge”, o qual foi possível visionar em DVD cedido pela organização do festival, retrata-nos a sociedade turca, as suas dificuldades sociais e económicas através de diferentes núcleos de personagens: um motorista de táxi, Umut (Umut llker), que está em busca de um melhor apartamento para agradar á sua mulher Cemile (Cemile llker); um polícia de trânsito, Murat (Murat Togöz), que tem dificuldades de relacionamento e é indeciso em relação á sua carreira; um adolescente sem instrução escolar, Fikret (Fikret Portakal) que sobrevive com a venda de flores.

Todas estas personagens vivem o seu dia-a-dia na ponte apesar de nunca se cruzarem, o que nos leva a estabelecer a relação com as nossas próprias vidas. No nosso quotidiano passamos tantas vezes pelas mais diversas pessoas e nem imaginamos como será a vida delas, as suas dificuldades, os seus dilemas, numa sociedade cada vez mais egoísta e virada para si mesma.

Misto de documentário e ficção, esta película realizada por Asli Özge, é representada pelas pessoas reais que a inspiraram, com excepção de Murat, que não pode ser filmado por ser agente de autoridade.

Nota: A RDB esteve no Festróia nos dias 10 e 11 de Junho a convite da organização, a qual agradecemos pelas condições disponibilizadas.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This