rdb_s4_header

Samsung Galaxy S4

Galaxy S3 com esteróides

A Samsung conseguiu. Depois do enorme sucesso do Galaxy S3, o primeiro verdadeiro “iPhone killer”, a gigante sul coreana tornou-se a maior fabricante mundial de smartphones apostando numa estratégia de diversificação, disponibilizando smartphones para todos os gostos e para todas as bolsas. Com o lançamento do Galaxy S4, a Samsung não arriscou no design mantendo o look & feel do seu antecessor, à semelhança do que a Apple costuma fazer com as versões “s” do iPhone. Contudo o S4 apresenta um conjunto de especificações que o colocam no topo da lista dos melhores smartphones do mercado; dezenas de funcionalidades e “truques” (uns mais úteis que outros) e uma câmera de 13 MP que rivaliza com muitas máquinas compactas existentes no mercado.

DESIGN

Existia alguma expectactiva em relação aos aspecto do Galaxy S4. Uma das principais criticas apontadas ao S3 é o seu aspecto “barato” muito devido ao plástico utilizado como capa traseira. A Samsung optou por manter a capa de plástico que não compromete o seu aspecto mas que não deixa de ser um ponto negativo num telefone “topo de gama”. A vantagem da capa de plástico é a possibilidade de trocar de bateria e colocar um cartão de memória, expandindo assim a sua capacidade de armazenamento. Num ponto de vista de “reparação” é também bem mais simples trocar a capa em caso de queda bem como aceder a outros componentes.

SAMSUNG STUFF

Para tornar a experiência de utilização do S4 diferente e inovadora, a Samsung desenvolveu um conjunto de funcionalidades exclusivas. O Air Gesture faculta aos utilizadores uma forma de, por exemplo, navegar numa galeria de fotografias usando apenas um gesto com a mão. O Air View oferece uma pré-visualização de fotografias e de e-mails. Basta aproximar o dedo do ecrã. O Samsung Smart Pause permite que um video seja colocado em pausa quando se deixa de olhar para o ecrã retomando a reprodução quando volta a olhar para o equipamento. O Samsung Smart Scroll possibilita fazer scroll sem tocar no ecrã, sendo apenas fazer pequenos movimentos com a cabeça.

Interessantes e inovadoras? Sim. Para serem utilizadas diariamente? Não. Mais do que resolver reais problemas que os utilizadores podem encontrar na utilização de um smartphone estas funcionalidades servem para promover o S4 e mostrar as potencialidades do dispositivo. Excelentes para se mostrar aos amigos mas provavelmente desligadas logo após para não consumir bateria.

Para além destas funcionalidades o S4 vem carregado com dezenas de aplicações Samsung, desde as mais básicas (calendário e notas) às mais inovadoras (S Health e S Travel). Todas estas aplicações e o próprio launcher da Samsung (Touchwiz), que altera o look & feel do sistema Android, ocupam praticamente metade do espaço disponível (apenas ficam disponíveis cerca de 9GB num dispositivo de 16GB). A Samsung já disponibilizou uma actualização que aumenta (mas pouco) o espaço disponivel e que permite tambem uma melhor gestão do espaço, permitindo a transferencia de aplicações para o cartão de memória.

BATERIA

Esperava mais de um bateria com 2600mAh. O meu teste “real” de utilização implicou uma viagem de comboio ao Porto, concerto dos Muse no Estádio do Dragão e regresso a Lisboa. Tive o cuidado de desligar todas as funcionalidades acima mencionadas e também o 4G durante a viagem de comboio. Utilizei o telefone esporadicamente durante a viagem para aceder ao e-mail e redes sociais. No concerto liguei o 4G (que funcionou na perfeição), tirei muitas fotografias, acedi a algumas páginas e aplicações e fiz 3 ou 4 videos (3 minutos cada). Com o 4G ligado a bateria descarregou bastante rapidamente e tive que o desligar para ter ainda bateria para ouvir música na viagem de regresso. A bateria “morreu” antes de chegar a Lisboa.

Com o Galaxy S4 é bastante importante ter cuidado em relação às funções e serviços que estão ligados. Caso não necessitem, desliguem o 4G. Caso necessitem de o ter sempre ligado e sejam powerusers tenham sempre uma bateria adicional por perto. A vantagem de uma capa de plástico é a possibilidade de trocar de bateria sempre que necessário.

CÂMERA

Se me perguntarem o que gostei mais na utilização diária do S4 a resposta é óbvia: a câmera. Para além do número de megapixeis (13) que pouco ou nada significam para o comum utilizador, o Galaxy S4 importou a experiência de utilização da Galaxy Camera e “apimentou-a” com algumas funcionalidades que para além de úteis são altamente divertidas.

 

A qualidade de imagem é fantástica e as fotos tiradas com o S4 são as melhores que alguma vez tive oportunidade de captar com um smartphone. Em condições de pouca luminosidade está longe de ser perfeito e existe alguma concorrência nesse segmento (HTC One, Nokia Lumia 920). Contudo, a maioria das fotografias são captadas com luz e nesse aspecto o S4 é imbatível.

Os “novos” modos:

Dual Shot: Permite tirar uma foto utilizando a câmera principal e a secundária, de 2 MP, ao mesmo tempo. Apesar das poucas e simples molduras, o efeito nas fotos é bastante divertido.

Animated photo: Neste modo é possível tirar uma foto e escolher alguns pontos da imagem para ficar em movimento. O resultado é um tipo de gif, onde apenas uma parte da imagem é animada, enquanto o restante permanece parado.

Sound & Shot: Ao tirar uma foto, o dispositivo grava um trecho de até 9 segundos de áudio e anexa à foto.

Drama Shot: Tira várias fotos e depois cria uma montagem de uma pessoa ou objeto em movimento na mesma imagem.

A captar video o S4 também se mostrou muito competente e fiquei bastante impressionado com o zoom óptico. A estabilização da imagem podia ser melhor.


CONCLUSÃO

Com o Galaxy S4 a Samsung não arriscou. Bastou “pegar” no sucesso do Galaxy S3, juntar uns pozinhos e vender milhões de dispositivos. A marca sul-coreana tem em seu favor uma tremenda máquina comercial bem oleada e estrategicamente colocou-se inteligentemente como a real alternativa ao iPhone. O Galaxy S4 partilha com o HTC One o primeiro lugar no pódio dos smartphones Android e é sem sombra de dúvida o melhor “all around” smartphone do mercado. É a compra certa para quem procura actualizar o seu telefone Android mas com o lançamento do HTC One, deixou de ser o telefone de transição para quem está actualmente no ecossistema Apple, muito devido ao design e estrutura unibody do topo de gama da HTC.

Ninguém ficará desiludido depois de comprar o Galaxy S4 mas fica a sensação que a Samsung podia e devia fazer mais e melhor em relação ao design do dispositivo, sendo ele o topo de gama da marca sul-coreana.

O Samsung Galaxy S4 encontra-se à venda em todas as operadoras nacionais, subsidiado (com a obrigatoriedade de permanência de 24 meses ao plano escolhido, a partir de 159,90 euros) e livre (799,90 euros).

 

PRÓS

– Excelente câmera e modos
– Fluidez do Sistema Operativo. Equipado com a mais recente versão Android 4.2.2
– Ecrã de 5 polegadas sem prejudicar o look & feel do dispositivo, com uma definição fantástica FULL HD

CONTRAS

– Design
– Demasiado software da Samsung que ocupa demasiado espaço
– Bateria

 

 

 



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This