Stop Motion para Eadweard Teatro Trindade

Stop Motion para Eadweard Muybridge

Uma intensa viagem à obra e vida do criador da stop motion para ver até 31 de janeiro na Sala Estúdio do Teatro da Trindade, em Lisboa.

Num ambiente minimalista e íntimo, o espetáculo escrito e encenado por Ricardo Cabaça cruza em cena várias linguagens: teatro, cinema e fotografia. Áreas exploradas por Eadweard Muybridge ao longo da sua busca incessante pelo impossível, por criar algo original.

Zé Bernardino, Daniela Rosado e Elisabete Pedreira trazem a palco uma ode ao movimento, à expressão e às emoções. “Com toda a certeza que quem vier encontrará imagens muito fortes e marcantes para sublinhar e metaforizar aquilo que é a vida do Muybridge”, descreve Ricardo Cabaça.

Para além do importante contributo para o cinema, através da criação do zoopraxiscópio, (instrumento com que deu movimento às imagens) a escolha de Eadweard Muybridge assentou “ao mesmo tempo, não só porque a obra nos encanta como também a própria vida acaba por ser um mistério. A vida dele é muito rica em acontecimentos e em polémicas”, explicou o encenador.

“Stop Motion para Eadweard Muybridge” volta aos palcos depois de ter sido selecionado no Festival Temps d’Images para ser apresentado dois dias no Teatro Nacional D.Maria II, em novembro passado. A mudança do ator principal e as características da sala-estúdio do Teatro da Trindade, fizeram com que o espetáculo sofresse algumas alterações: “é muito diferente e quem viu no Teatro Nacional D.Maria II, aqui verá um espetáculo substancialmente diferente. Não é um objeto novo, mas é um objeto artístico muito diferente”, explica o encenador.

A partir de 14 de janeiro e até ao final do mês, a peça estará em cena de quinta a sábado na Sala- estúdio do Teatro da Trindade com sessões às 21h45 e, ao domingo, às 17h.

 

Fotografia de Rita Delile



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This