unrailed_00

Unrailed | Análise | Nintendo Switch

Unrailed é um jogo que nos leva a cenários pixelizados quase ao estilo de Minecraft, onde temos de apanhar recursos, evitar uns contratempos e perigos, e levar o nosso comboio a bom porto, que é como quem diz, levá-lo à próxima estação. Isto sem deixar que descarrile ou pegue fogo.

Ao entrar no jogo somos transportados para algo diferente, com o menu inicial a fazer lembrar plantas de construção. Temos vários modos de jogo à nossa escolha, competitivo até 2 contra 2 ou cooperativo até 4 jogadores, local ou online. O modo competitivo leva-nos a uma competição por ver quem chega mais rápido à próxima estação ou pelo menos resistir mais tempo até o adversário descarrilar. No modo cooperativo há também várias opções de jogo que vão desde o modo rápido que consiste em fazer somente um bioma (cenário), o modo interminável, o verdadeiro desafio, e o modo seguro que permite irmos experimentando vários cenários e alterando a composição do nosso comboio em forma de treino.

Personalizável ao ponto de podermos escolher o nosso personagem de um leque de 37 diferentes opções, um dinossauro, um sapo, um pinguim, um boneco bolacha de gengibre entre outros. Alguns vão sendo desbloqueados à medida que avançamos no jogo.

O grande objectivo é chegar o mais longe possível, em cenários gerados aleatoriamente onde encontramos uma régua com os metros percorridos na parte inferior do cenário. Os cenários levam-nos a locais dos mais variados tipos, montanhas com rios e lagos, tundras geladas e até montanhas com lava, onde neste último o cenário vai literalmente abanando e rodando, podendo até ficar de pernas para o ar.

O jogo em si consiste em irmos apanhando recursos como madeira das árvores e metal nas montanhas, e colocá-los numa das composições do comboio, que por sua vez os transforma em carris, numa outra composição do comboio. Depois só temos de apanhar esses carris e dispô-los na continuidade da pista, até chegarmos à próxima estação. Para apanhar os recursos temos 2 ferramentas, um machado e uma picareta. Temos também um balde para podermos ir colocando água no comboio de forma a não aquecer demasiado.

O grande objectivo é chegar o mais longe possível, em cenários gerados aleatoriamente onde encontramos uma régua com os metros percorridos na parte inferior do cenário. Os cenários levam-nos a locais dos mais variados tipos, montanhas com rios e lagos, tundras geladas e até montanhas com lava, onde neste último o cenário vai literalmente abanando e rodando, podendo até ficar de pernas para o ar.

O jogo em si consiste em irmos apanhando recursos como madeira das árvores e metal nas montanhas, e colocá-los numa das composições do comboio, que por sua vez os transforma em carris, numa outra composição do comboio. Depois só temos de apanhar esses carris e dispô-los na continuidade da pista, até chegarmos à próxima estação. Para apanhar os recursos temos 2 ferramentas, um machado e uma picareta. Temos também um balde para podermos ir colocando água no comboio de forma a não aquecer demasiado.

Existem ainda uns desafios extra que nos vão aparecendo, um por bioma, na parte superior esquerda do ecrã. Estes vão desde empilhar até 20 recursos, não colocar carris durante 40 segundos, ou até mesmo não fazer mal aos animais (sim, também aparecem uns animais nos cenários).

Parece simples, mas nem sempre é. Na verdade, enquanto o fazemos, o comboio continua a andar, o que pode levar a que descarrile caso não consigamos colocar os carris a tempo. Pelo caminho vão-nos sendo apresentados vários pequenos contratempos ou perigos, como rios que temos de transpor colocando pontes, a noite que chega e parte do cenário fica sem luz, animais que teimam em não sair da frente ou que bebem a água do nosso balde, o comboio que sobreaquece ou que pega fogo, ladrões que teimam em nos roubar os recursos ou os carris já colocados na linha. Todas estas camadas de contratempos tornam todo o jogo mais estratégico e mais frenético na procura de eficiência.

montanhas, e colocá-los numa das composições do comboio, que por sua vez os transforma em carris, numa outra composição do comboio. Depois só temos de apanhar esses carris e dispô-los na continuidade da pista, até chegarmos à próxima estação. Para apanhar os recursos temos 2 ferramentas, um machado e uma picareta. Temos também um balde para podermos ir colocando água no comboio de forma a não aquecer demasiado.

Chegar à próxima estação ou cumprir o desafio presente no cenário, atribui-nos parafusos. Com estes podemos comprar locomotivas ou composições que melhoram a performance da produtividade, que apontam o caminho, que arrefecem o comboio durante mais tempo, entre várias outras opções, num total de até 49 opções, embora nem todas estejam desbloqueadas no início.

Pontos a favor:

– É um jogo com comboios.

– Dá para até 4 jogadores, seja em modo cooperativo ou em modo 2 contra 2. Com a necessidade constante de apanhar recursos e fazer as linhas, ter 4 pessoas a trabalhar cooperativamente torna o jogo muito interessante. Não é que o modo a uma pessoa não o seja, pois temos um ajudante em forma de inteligência artificial, que nos auxilia a apanhar madeira. Só que com vários recursos para apanhar, tentar afastar ladrões, apagar incêndios e ainda assim arranjar forma do comboio não descarrilar, ter alguém com quem se pode comunicar e dividir tarefas, torna a coisa não só mais simples, como mais interativa e por isso, divertida.

 

Pontos contra:

– Não ter uma forma de continuar a partir da última estação onde chegámos antes de perder. Existe uma estranha forma de gravação do jogo. Propositadamente feito assim pelos seus criadores, o jogo apresenta um modo de gravação de utilização única. Isto é, permite gravar, mas obriga-nos a sair para o menu principal. Assim a gravação só serve para retornar a esse ponto do jogo e quando o fazemos essa gravação desaparece por completo da nossa lista de gravações. Desta forma não serve nunca para voltar atrás caso se perca num qualquer cenário.

 

Resumo final:

É um jogo que pega em nós e coloca-nos variados desafios constantes, o que torna o jogo muito cativante. É óptimo para jogar em família. Aqui em casa jogámos a 3 e foi pura diversão. Claro que com muitos nervos por vezes e geralmente com alguma atribuição de culpa a terceiros. Confesso que jogar a 1 não é tão divertido, mas para aquelas tardes em família, é garantido o entretenimento.

A versão que experimentámos deste jogo foi para a Nintendo Switch.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This