rdb_7inchesof_header

7 inches of Love

Um encontro com o amor em 7"

A 7 Inches of Love é uma editora com “releases muito, muito, muito limitadas. Dedica-se, apenas, aos 7” e as suas impressões são extremamente simples: nuvens em contorno fino ou corações (broken hearts) ‘naif’ preenchidos a cor forte e traço cheio.

Ah!… a estampagem/grafismo é feita à mão. The Mole – Dj e produtor Canadiano – é o responsável por esta fantástica colecção a que poucos têm acesso, só 300. Ganha quem for mais rápido a comprar. A selecção das faixas tem, criteriosamente, charme e sens(x)ualidade. Há sentidos reais nestas audições: planeiam-se as mãos, descolam-se os lábios e a vibração atinge o tronco… em slo-motion. “Now, just swirl” As primeiras edições estão todas esgotadas mas é uma questão de procurar bem, muito bem… caso não se encontre valha-nos o Youtube que alberga algumas faixas interessantes, como “Winelite” de Eddie C, “Hello My Love” de Ted Pilsner (que é um edit da música “Strawberry Letter 23” dos Brothers Johnson: 1977) ou “Nice and Easy” de El Molito (aka The Mole…. assume-se).

The Mole escolheu alguns dos seus melhores amigos para colaborarem neste projecto dedicado a re-edits de disco/funk/soul. Um deles, o mais “ilustre”, é Eddie C . Koosh e Ted Pilsner, são os “ilustres” desconhecidos intervenientes mas activamente presentes na maioria destes registos. Música quente para aquecer as noites frias destes habitantes de Montreal. Apesar de serem re-edits e de muita gente estar saturada o sentido de descoberta é automático e remete-nos para clássicos. Alguns já esquecidos. Estes edits são uma espécie de ‘despertador mental’ para as décadas de 70 e inícios de 80, não comerciais e intemporais.

7 Inches of Love já vai no n.º 6 e duvido que alguém o consiga agarrar. Traduz-se num “sweet” disco com o edit de “Show is Over” de Evelyn ‘Champagne’ King e Son (outro mistério: talvez estes ‘anónimos’ sejam apenas alter-egos de The Mole) com a faixa “Quebec”. Mesmo “Out of Stock” destaco o n.º 2, com duas faixas muito sensuais: slo-mo funky disco: Ted Pilsner – “Hello My Love/ Eddie C – “Hold Me” e o n.º 5 que nos recorda “Ikes Rap” de Isaac Hayes, em “Closerbaby” de Koosh / Slumbor Jack com “Disco Dragon” que é uma revisão discoide de “Enter the Dragon” de Lee Perry (1975) É melhor não dormir na forma e ficar atento. Não há um site dedicado a esta editora.

O melhor é ir seguindo as novidades da Phonica Records e não hesitar na encomenda. Podem não acreditar mas (arrisco dizer que) estes pedacinhos de plástico preto, com um buraco enorme, de imprint caseiro, valem ouro… para os que acreditam neste tipo de tesouro.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This