rdb_artigo_frame

Frame Bar

Um espaço sumptuoso e orgânico desenhado pelo arquitecto Dimitri Tsigos na cidade de Atenas.

O Frame Bar fica em Atenas, na Grécia, sendo um espaço associado ao Hotel St. George Lycabettus, um delírio de gosto e experiências situado no berço da antiguidade clássica. Porém, este não é um bar classicista e poder-se-á dizer que é antagonicamente moderno, sendo possível assistir aqui a uma atracção muito subtil pela estética de uma história remanescente.

A aposta deste bar na gastronomia requintada é diversa, com menus adequados tanto a refeições rápidas como refeições saudáveis e light, petiscos e iguarias mas também um gosto particular por sobremesas primorosamente confeccionadas que pretendem deixar uma doce memória pelos que lá passam. Além disso, o Frame bar oferece uma programação de música variada com cinco DJs residentes, produtores de rádio e artistas convidados que animam as noites e que motivam nos seus clientes o desejo de voltar.

Desenhado pelo arquitecto Dimitri Tsigos, de origem grega, o Frame bar torna-se num ícone expressivo de um estilo definido pela forma, esta que por sua vez está associada não só à característica formal do pensamento projectual em causa, mas também aos processos criativos e técnicos que dão origem ao produto final. Todos sabemos que os processos técnicos de produção digital estão em constante transformação e que estão cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia através da imagem (cinema, video-jogos, publicidade, etc.), mas poucas vezes nos lembramos da influência dos mesmos no que toca à transformação da nossa realidade física e da génese criativa motivada pelos seus próprios meios de expressão.

Da transição recente entre a arquitectura e o design e da sua própria interligação advém um resultado tremendo de morfologia só materializável pela destreza de um arquitecto em respeito pelo detalhe e com um sentido de finalização próximo da mestria. É que não é fácil encontrar um projecto de design de interiores onde exista uma relação exímia entre o mobiliário, o espaço e a sensação de fluidez que este transmite ao utilizador. Além disso, o estilo orgânico, sendo quase sempre um sinónimo de leveza, confirma neste espaço um cuidado extraordinário com a estruturação das formas através da conjugação de dois materiais principais com potenciais geralmente adversos entre si, designadamente a pedra mármore “Imperador”, originária de Espanha, e o Staron termo-moldado, um familiar do Corian.

É, aliás, com este último material que se promove a leveza das formas e se moldam os contornos leitosos do pavimento em determinação de balcões, mesas baixas, bancos e até aos cobertores dos degraus que servem de transição entre pisos. Também de observar que estas formas brancas e macias não se limitam a revestir a pedra mármore pelo traçado do seu corte planeado, mas assumem a sua personalidade forte ao extrapolar o seu perímetro de suporte, criando diversões em direcção perpendicular que dão uma ainda maior sensação de movimento.

Outra das características que não devemos descurar na escolha destes materiais adversos é a força da pedra mármore e o papel diversificado que lhe é dado. É que, tal como o primeiro, também este se dilui entre paredes e pavimento, criando uma volumetria própria e sincopada, na sua génese de produção obviamente mais linear mas invisivelmente casada com o organicismo das formas do Staron. Tal como já foi referido, a pedra mármore usada é a “Imperador” e é proveniente de Espanha.

A sua escolha para este projecto terá de ser baseada no grande contraste que dá ao espaço mas não nos podemos esquecer que através da sua superfície temos acesso a um conjunto de padrões de origem natural que denunciam um estudo conceptual mais abrangente do que parece à primeira vista.

É que a sobriedade dos brancos é compensada pela sua forma arrítmica e suavizada, ao contrário da pedra que, com a grande pronunciação de um castanho-escuro e pesado vai buscar a tónica orgânica através do veio na sua superfície. Serão estes dois motivos estéticos e formais simetricamente opostos, e será que estão em tal simbiose neste projecto que se tornam inteligentemente num único?

Julgamos que sim.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This