Fun. | “Some Nights”

Fun. | “Some Nights”

Já não se fazem boys bands como antigamente (e ainda bem)

“Some Nights”, o segundo longa-duração dos nova-iorquinos Fun., é um falso disco gravado ao abrigo do estatuto das boys band, que parece condenado a tomar conta de tabelas de vendas um pouco por toda a parte.

Atentemos na capa. Apesar do belo par de pernas que vemos cruzado e sobre o qual umas mãos com unhas cor de sangue seguram um copo de néctar dos deuses, há uma outra personagem que nos aparece denunciada pela chama de um isqueiro e que está a fazer qualquer coisa menos acender uma vela.

“Some Nights” resultou da colaboração entre a banda e o produtor de hip hop Jeff Bhasker, transformando-se numa espécie de “My Twisted Dark Fantasy” para uma adolescência rebelde abraçada por batidas urbanas e movendo-se ao som da percussão militar.

Musicalmente encontramos um pouco de tudo, entre cordas, sopros, coros, sintetizadores e caixas de ritmos que dão o ar de o disco ter sido gravado na presença de uma imensa multidão. «Some Nights Intro» é um cruzamento entre a ópera alucinada de «Bohemian Rhapsody», dos Queen, com efeitos sonoros arrancados a filmes de terror levezinho como “Chuckie” ou “Sei o que fizeste no Verão passado”; «Some Nights», o segundo tema, poderá transformar-se na banda sonora de um futuro “Rei Leão”, e há dois anos ter-se-ia batido ombro a ombro com Shakira pelo hino oficial do Mundial de Futebol; em «Carry On», depois de um arranque de piano, somos levados a experimentar o folk irlandês num bar apinhado de gente, para acabarmos com o ímpeto de uma guitarra que poderia ter sido tirada de um disco de Slash.

Liricamente vive de um grande sentido de humor e de uma dose extra de introspecção. «We Are Young» conta a história de uma relação sem futuro numa noite passada entre amigos – que na casa-de-banho se preparam para ficar “higher than the Empire State” -, e de uma tentativa Clashiana de lhe atear fogo nem que seja por apenas mais umas horas: “Tonight, we are young. So let`s set the world on fire, we can burn brighter than the sun”; «Stars» vive de recordações, entre ímpetos de conquistador e uma crise saudosista: “Some nights I rule the world, with “barlights” and “pretty girls”, most nights I stay straight and think about my mom, oh god I miss her so much.”

Estranho e de certa forma misterioso, “Some Nights” sobrevive num mundo de contradições: é festivo apesar de melancólico; solarengo mesmo que carregado de sombras; épico mas sempre com um grande espírito de contenção. Nada mau para um disco que parecia não ser mais que um “amor de Verão”.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This