rdb_ompassos_header

OM @ Passos Manuel

Trio norte-americano encabeçado por Al Cisneros esgotou o Passos Manuel, numa noite em que o stoner rock foi sinónimo de introspecção.

O frio da última noite de Janeiro convidaria mais ao descanso e aconchego do lar, mas mesmo assim, o Passos Manuel encheu-se de gente pronta a presenciar a estreia dos norte-americanos OM na Invicta.

A primeira parte foi assegurada por Gustavo Costa, que fez desfilar, ao longo de cerca de meia hora, um trecho de música ambiental tingido de percussões várias, numa estética jazz que foi, em crescendo, quase roçar o noise. Competente, sim, mas a plateia, ou, pelo menos uma maioria dos presentes, não terá ficado rendida.

Os OM entram no palco, e, a abrir as hostes, “Meditation Is The Practice Of Death” impôs a passada, lenta e meditativa, bem ao jeito da banda. A faixa pertence ao último álbum do grupo, “God Is Good”, que, de resto, foi tocado na íntegra.

Os OM inspiram mais à introspecção do que ao headbanging. De facto, a banda de Al Cisneros (ex-Sleep), Emil Amos (também dos Grails e Holy Sons) e de Rob Lowe (Lichens) pratica um stoner/doom peculiar, porque para além dos riffs lentos e abrasivos, típicos do género, são trazidas para o palco subtilezas e momentos de silêncio que coexistem em harmonia com as partes de mais peso.

Nesse aspecto, há que saudar a recente ‘conversão’ de Rob Lowe à banda. O músico preencheu os espaços entre o baixo ritualista de Cisneros e a percursão de influências dub de Amos com percussões, guitarra e vocalizações que deram um pouco mais de cor ao espectáculo.

“At Giza” provocou a maior onda de entusiasmo da plateia, mesmo depois de um interlúdio, forçado pela insatisfação de Cisneros com o técnico de som, quando o baixo finalmente explodiu e se viveu o momento da noite.

A comunicação com o público foi escassa e a luz em palco não abundava, mas, afinal, são os OM – não faria sentido que fosse doutra forma. A saída foi discreta e aconteceu, talvez, mais cedo que o desejado, sem deixar ao público o habitual encore destas ocasiões.

Fotografia de Jorge Silva



There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This