Tuga_Beat_Sessions @ ZDB

A Loop invade a Galeria do Bairro Alto, dia 22 de Dezembro, com a actuação de Rocky Marsiano e Camarão & DK.

A diversidade é uma das principais premissas da histórica Galeria Zé dos Bois em Lisboa. Durante praticamente todas as edições da rua de baixo, temos referenciado o espaço do Bairro Alto como sendo o “local” de culto obrigatório da cultura alternativa lisboeta. Quem lá foi sabe o porquê. Quem nunca foi, ainda vai a tempo de descobrir. Este mês sugerimos uma noite 100% portuguesa, dia 22 de Dezembro, com a actuação de dois projectos da Loop Recordings: Rocky Marsiano e Camarão, acompanhado pelo músico e produtor DK.

Sem dúvida que o ano que está agora prestes a terminar foi muito positivo para a Loop. Praticamente todos os lançamentos foram bastante bem recebidos pela crítica e público, demarcando-se mesmo da esfera estilística do hip-hop, através da edição do disco de estreia dos The Vicious Five. A agenda de concertos nunca tinha sido tão preenchida e a divulgação nos Media correu da melhor forma possível. Depois de um ano assim, a noite de dia 22 de Dezembro só pode ser de festa.

Na rua de baixo já falámos bastante sobre Rocky Marsiano e Camarão (leiam os artigos relacionados no fim deste artigo), mas nunca é demais relembrar.

Rocky Marsiano é o alter-ego de D-Mars, membro dos Micro e co-responsável pela Loop Recordings. No decorrer deste ano foi editado “Pyramid Sessions”, um disco que une os beats do hip-hop com a suavidade e elegância do jazz. Nesta apresentação ao vivo vai ser acompanhado por Rodrigo Amado (saxofone), André Fernandes (guitarra) e DJ Ride (pratos).

Em entrevista para a rua de baixo em Junho deste ano, D-Mars explicou-nos o processo criativo pode detrás deste disco:

“Este álbum surge na sequência de uma fase pessoal em que comecei a ouvir jazz com outros ouvidos do que antes (..) comecei a pensar em fazer um álbum com MC’s a rimarem em cima, sempre com os instrumentais de jazz que abandonei. Então comecei a pegar em alguns instrumentais que tinha feito antes e depois entrei numa onda de inspiração pura. Durante muito pouco tempo, trouxe o sampler para casa. De manhã à noite só ouvia os discos e fazia beats e de uma maneira muito consciente porque já estava a pensar no álbum e a pensar em cada tema como uma canção, tentando que cada uma soasse o mais diferente possível de outra e fazer uma espécie de meu álbum de jazz; rearranjado, reinterpretado a partir dos originais, mas na linguagem de hip hop. Podem dizer que é um álbum de jazz que usa a linguagem hip hop ou um álbum de hip hop que utiliza a linguagem do jazz”.

Alexandre Camarão tem 33 anos e um passado musical escondido por detrás do pseudónimo Shrimp, através do qual editou as suas primeiras incursões nestas lides pelas mãos da defunta Kami’ Khazz, em 1997, e o primeiro álbum, “Electric Sul”, pela Nylon, em 2002. No decorrer deste ano, surgiu no mercado “The Remixes”, um registo de música electrónica com muito funk, jazz e soul à mistura, feito de colagens e revisões da sua colecção pessoal de discos. Desde então, Camarão tem-se desdobrado em diversas actuações ao vivo, sempre acompanhado pelo músico e produtor DK. Nesta actuação na ZDB os músicos serão acompanhados pelo André Fernandes, o Ricardo Quintas e possivelmente por Marta Hugon.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This