“Batalha – 14 de Agosto de 1385” | Pedro Massano

“A Batalha – 14 de Agosto de 1385” | Pedro Massano

Aljubarrota imortalizada em traços e cores

A publicação de BD em Portugal, em particular de trabalhos nacionais, é bastante escassa. No entanto, ao longo dos anos houve sempre um género que conseguiu o feito de se ir mantendo disponível nas bancas: o Histórico. A razão para isso não se prende necessariamente com questões de qualidade ou vendas, mas sim porque, muitas vezes, estes são livros encomendados por determinadas instituições que visam a criação de obras que enalteçam os feitos portugueses do passado, aproveitando as potencialidades da BD na educação da nossa História.

Dentro dessa tradição chega-nos “A Batalha – 14 de Agosto de 1385” (Gradiva, 2014), um trabalho requisitado pela Fundação Batalha de Aljubarrota no âmbito de um projecto que visa a criação de um conjunto de documentos sobre a interpretação desta mítica batalha, que ficou conhecida como a batalha de Aljubarrota. A responsabilidade desta missão caiu nos ombros do veterano Pedro Massano, um nome que ao ser lido na capa não passará despercebido, uma vez que se trata de uma das grandes referências da BD nacional e com obra publicada também em França.

Para esta tarefa o autor, conhecido pela sua precisão histórica, muniu-se das fontes de maior referência neste tema, tais como os textos de Fernão Lopes, os relatos de Froissart e Pêro Lopes Ayalla e a carta de D. Juan – onde se desculpa por tão grande derrota – aos murcianos. A descrição desta batalha (que durou cerca de uma hora) é feita com um rigor histórico exemplar, onde o autor explica com grande minúcia a estratégia e as condições em que este acontecimento se desenvolveu. Ironicamente, aquilo que é uma das maiores forças do livro acaba por ser também a sua maior fraqueza, pois a atenção dada aos factos é tanta que a narrativa se torna pouco fluída e, por vezes, menos estimulante. Nesse sentido teria sido mais benéfico ter-se encontrado um maior equilíbrio entre o narrar dos acontecimentos e a explicação dos mesmos, deixando por vezes os próprios desenhos contarem a história sem se sentir tanto a necessidade de recorrer ao uso das palavras. Claro que, no fundo, esta acaba por ser uma questão que se prende com aquilo que cada um privilegia num retrato desta envergadura.

“Batalha – 14 de Agosto de 1385” | Pedro Massano

Existe uma discussão que se prende com a dúvida se é o Homem que faz a História ou a História que faz o Homem. Independentemente da resposta, é impossível não falar da batalha de 14 de Agosto de 1385 sem dar especial destaque a Nun’ Álvares Pereira e a D. João I, respectivamente o criador da famosa estratégia do quadrado e o Rei que iniciará uma nova dinastia em Portugal. São eles que acabam por ser retratados como os heróis desta aventura, em particular Nun’ Álvares Pereira, cuja crença em Deus e na pátria o fizeram apoiar a causa do mestre de Avis, obrigando-o a enfrentar não só irmãos de pátria como irmãos de sangue também. A dada altura Nun’ Álvares avisa um soldado de que nunca afirmou que esta seria uma vitória fácil, mas que sempre acreditou que seria uma possível. De facto, a batalha de Aljubarrota ficará sempre na História como uma das maiores de Portugal, onde graças à estratégia e ao amor pela pátria um grupo de soldados portugueses conseguiu vencer o exército, muito superior, de D. Juan de Castela.

A nível do desenho Massano continua a deslumbrar, sendo responsável por todo o processo de criação do livro, desde o traço à colorização e respectiva legendagem. Exceptuando a primeira e a última página, todos os desenhos foram feitos em prancha dupla, onde o autor, sem qualquer tipo de restrições, se deixou contagiar por esta épica batalha, desenhando e pintando enormes quadros a fim de captar a magnificência que um grande combate pode ter.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This