rdb_balmain_header

Balmain

Do glamour real ao luxo agressivo.

Se depois da tempestade vem a bonança, vem também a opulência, a riqueza, a vivacidade e uma certa despreocupação. Espírito sob o qual Pierre Balmain se lança quando abre a sua casa de alta-costura no Outono de 1945, passada a Segunda Guerra Mundial, deixando para trás os seus estudos em arquitectura, e dando origem a um novo sentido ao estilo feminino sob o auspicio da “Jolie Madame”. No ano seguinte, inaugura a expansão da marca com o seu primeiro perfume “Vent Vert”, um best-seller do final da década de 40 e início de 50. Balmain defendia que “no que respeita a elegância, o perfume é mais importante do que os acessórios, as jóias e os sapatos”.

A sua imagem de marca paira na sofisticação e elegância das linhas que desfilam em rainhas, princesas e actrizes, todas elas ícones da moda dos anos 50 e 60, que confiam em si a confecção dos mais belos vestidos de noite e de cerimónia, em têxteis requintados ornamentados por primorosos bordados. Esta fidelidade entre as mais conceituadas figuras internacionais – como Ava Gardner e Brigitte Bardot – conta com a proclamação de costureiro oficial da rainha tailandesa Sirikit, bem como a concepção de guarda-roupas para peças de teatro e 16 filmes, não esquecendo o uniforme feminino para a Singapore Airlines. É também nesta década que massifica não somente o uso da estola no dia-a-dia, como o vestido bainha em algodão ou seda sobreposto por um pequeno casaco, realçando a silhueta feminina.

A linha ready-to-wear é apresentada ao mundo em 1951, permitiu a sua implantação em diversos pontos dos Estados Unidos da América. Uma vida tão rica e memorável, rodeada das mais conceituadas figuras internacionais da sétima arte e da aristocracia, merecia um registo para a história. É assim que a 1964, Pierre Balmain publica a sua autobiografia intitulada “My Years and Seasons”, acabando por perecer em 1982.

Erik Mortensen, primeiro assistente de Balmain e o seu mais próximo sócio, assume assim a direcção da marca, subindo duas vezes ao pódio a fim de receber o Dedal De Ouro da Alta-Costura Francesa, com as colecções de Outono-Inverno 83-84 e 87-88. Ao deixar a casa em 1990, um role de estilistas desfila sucessivamente no cargo de director artístico da marca, passarela por onde atravessam nomes como Hervé Pierre (1990-92); Oscar de la Renta (1993-2002) na linha de alta-costura e ao mais fiel estilo “Jolie Madame”, metamorfoseado em linhas elegantes e fluídas; Gilles Dufour (1998-200) na linha ready-to-wear; e Laurent Mercier (2002-04).

O jogo de cadeiras na direcção artística não auxiliou a marca, e o contexto económico obriga a Balmain não somente a decretar bancarrota, bem como a abandonar a linha de alta-costura (2004), sendo Christophe Decarnin convidado a assumir a direcção da linha ready-to-wear em 2005, após ter trabalhado durante sete anos para Paco Rabanne na sua marca Apostrophe.

A marca assistiu a um ponto de viragem de 180º, passando duma linha glamorousa que preenche o sonho de qualquer princesa, a uma linha punk chic que satisfaz os desejos de editores de moda, celebridades e principalmente fashionistas. Os preços praticados pela Balmain numa linha de ready-to-wear nunca tinham sido vistos, tendo como símbolo icónico os distress jeans pelo preço base 1.000$, os tops Old Glory com a Union Jack rasgada e aplicações por 1.500$, os casacos militares impecavelmente concebidos com ombros gigantes cravejados de aplicações metálicas e brilhantes por 5.000$, e o máximo histórico auferido pelo vestido dourado, capa de sete revistas de moda internacionais e apresentado por Demi Moore, no simples valor de 31.000$. Desta forma, os consumidores vêem-se obrigados a reajustar os seus padrões de investimento.

Ventos de mudança vinham alertando para uma incerteza relativamente ao futuro da marca. A linha artística que Christophe Decarnin seguia era alvo de diversas críticas, apesar de ter trazido a prosperidade à marca, de proporcionar a duplicação das vendas desde a sua entrada em 2005, altura em que a maioria das maisons era afectada pela crise, e de criar a linha masculina em 2009. Christophe tem o mérito de conseguir instaurar a “Balmania” através da fidelização de celebridades, como acontecia nos primeiros passos da marca, mas desta vez sob um target complemente diferente, numa dicotomia glamour aristocrático versus punk chic. O role de personalidades que actualmente segue a marca inclui nomes como Kate Moss, Lindsay Lohan, Heidi Klum, Jennifer Connelly, Sarah Jessica Parker e Gwyneth Paltrow.

O prenuncio desta instabilidade consubstanciou-se na ausência de Decarnin no desfile de Outono-Inverno 2010-11, levando a especulações sobre a sua saúde mental face à pressão exercida não só relativamente à reinvenção da sua fórmula de sucesso, bem como aos atritos existentes com o CEO, Alain Hivelin. Inesperadamente, sem argumentos oficiais, é lançada a notícia de que Christophe Decarnin deixa a direcção criativa da marca, decidindo a casa, à semelhança da tendência operante no panorama internacional, optar pela escolha de um jovem talento que se identifique com os valores da marca, ao invés de oferecer a direcção a um conceituado criador.

Em Abril de 2011, Olivier Rousteing, licenciadado em 2003 pela Escola Superior de Artes e Técnicas de Moda em Paris (ESMOD) e tendo trabalhado cinco anos como Designer das colecções ready-to-wear feminina e masculina de Roberto Cavalli, assume a direcção artística da Balmain, marca para a qual trabalhava desde 2009 como responsável da linha feminina, estando marcado o debut da sua colecção para a próxima Fashion Week Primavera-Verão 2012.

A mais recente campanha da Balmain foi protagonizada pelos reconhecidos fotógrafos de moda alemães, Inez van LamsweerdeVinoodh Matadin, os quais actuam como agentes secretos e espiam o comportamento de Kate Moss em backstage, dando aso não a um processo em tribunal, mas a uma curta-metragem fantástica assinada “Everglade”, nome da música de Antony and the Johnsons, que serve de fundo a esta gravação privada, com um travo acentuado de surrealismo ilustrado por Jo Ratcliffe, em animações que transitam entre o fantasmagórico e o mundo Disney, na intenção de representar os diferentes véus de percepção dum mundo interior imaginário. “Spying on Kate Moss” serviu de base à promoção da Campanha Outono | Inverno 2010/11.

Ficamos ansiosamente a aguardar novidades da casa Balmain, será que voltamos ao glamour real ou continuamos no estilo fashionista irreverente?!



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This