rdb_fcf2013_header

Oh là, oh là là!

A Festa do Cinema Francês regressa a Portugal, pela 14ª vez, organizada pelo Institut Français du Portugal, para um mês inteiro do melhor da cinematografia francesa. Serão 46 filmes exibidos em 12 salas do País, entre 10 de Outubro e 10 de Novembro.

Como é já habitual, a edição de 2013 arranca na capital e, aos amantes do cinema falado na pronúncia quiçá mais romântica da Europa, começam a chegar novidades. Regardez le nouveau spot publicitaire:

No total serão 7 as cidades que irão presenciar o reencontro entre o melhor do cinema e da cultura francesa e o nosso país: Lisboa: 10- 20 Out; Almada: 16- 20 Out; Coimbra: 22- 26 Out; Beja: 29 Out- 03 Nov; Faro: 30 Out- 02 Nov; Guimarães: 31 Out- 04 Nov; Porto: 04- 10 Nov.

No que à Programação diz respeito, este ano podemos contar com as secções:

ANTESTREIAS – O MELHOR E O MAIS RECENTE DO CINEMA FRANCÊS

A secção que, ano após ano, faz com que o público português se sinta ligeiramente spécial, já que traz até às Salas Portuguesas filmes que ainda não tiveram saída comercial em França.

O ciclo ANTESTREIAS é composto por 19 filmes, e promete ainda diálogos abertos entre as equipas envolvidas na realização e produção de alguns deles.

Exemplo disto é o Filme de Inauguração: Camille Redouble/ A Segunda Vida de Camille, que contará com a presença da realizadora Noémie Levovsky, que tão bem conhecemos de filmes como Les adieux à la reine de 2012 ou Apollonide – Memórias de Um Bordel / L’Apollonide – Souvenirs de la Maison Close de 2011.

Com exibição marcada na sala Manoel de Oliveira, Cinema São Jorge, dia 10 de Outubro, às 21h00, esta é uma comédia francesa que nos conta uma emocionante história sobre as pessoas que pela nossa vida passam e que, da mesma forma como a marcam, dela também partem um dia.

A par da estreia, este ano são 9 os filmes com distribuição assegurada no nosso país.

Conhece a lista completa da lista da ANTESTREIAS:

– Camille redouble, de Noémie Lvovksy
– L’écume des jours, de Michel Gondry
– Au bout du conte, de Agnès Jaoui
– Thérese Desqueyroux, de Claude Miller
– 2 Automnes 3 Hivers, de Sébastien Betbeder
– Berthe Morisot, Caroline Champetier
– 5 Caméras Brisées, de Emad Burnat e Guy Davidi
– Kinshasa Kids, de Marc-Henri Wajnbergl
– Du vent dans mes mollets, de Carine Tardieu
– Quelques heures de Printemps, de Stéphane Brizêl
– Alceste à Bicyclette, de Philippe Le Guay
– Henri, de Yolande Moreau
– Queen of Montreuil, de Solveig Anspachl
– La vierge les coptes et moi, de Namir Abdel Messeeh
– Grand Central, de Rebecca Zlotowski
– Cherchez Hortense, de Pascal Bonitzer
– Jeune et Jolie, de François Ozon
– Aux yeux de tous, de Cédric Jimenez
– Le dernier des injustes, de Claude Lanzmann

A MADRINHA – AGNÈS JAOUI

Sim, a própria. Conhecida pela sua honesta forma de estar e pelo bom humor com o qual sempre se faz acompanhar, é uma das grandes personalidades da nova geração da comédia no cinema francês, e vai estar em Lisboa para amadrinhar a 14ª Festa do Cinema Francês.

Celebra agora os seus 30 anos de carreira, e no bolso traz já 28 filmes e 21 merecidos prémios. Durante a estadia em Lisboa vai presentear-nos com a apresentação de mais uma das suas obras na qual volta a subverter os finais felizes dos contos de fadas aos quais estamos habituados. Desta vez é a tão pertinente questão Au bout du conte / E Viveram Felizes Para Sempre…? que nos é colocada no grande ecrã. Trata-se do seu último filme, cujo argumento assina com Bacri, para assistir no dia 11 de Outubro, pelas 21h30, no Cinema São Jorge, na secção ANTESTREIA.

A realizadora mostrará ainda a sua faceta de cantora num concerto no dia 17 de Outubro, no Lux, que promete muitos músicos convidados e canções que irão cruzar o glamour francês com o estilo latino. Um concerto que marcará o encerramento da secção PARIS AU CINÉMA, com início marcado para as 23h00.

PARIS NO CINEMA / PARIS AU CINÉMA

No âmbito da comemoração dos 15 anos do tratado de amizade entre Lisboa e Paris, chega-nos um ciclo que procura homenagear a cidade de Paris através da exibição de 7 filmes que têm como cenário a incomparável cidade da luz.

Neste ciclo podes contar com as exibições de:

– Petit À Petit, de Jean Rouch
– Rendez-Vous, de André Téchiné
– Paris Je T’Aime, Collectif
– Les Amants du Pont Neuf, de Leos Carax
– Les 400 Coups, de François Truffaut
– Paris Vu Par…, Collectif
– Au bout du conte, de Agnès Jaoui

Uma secção que nos deixa com a sensação que impossível será não ficar com vontade de namorar Paris em tons de preto e branco através de uma das maiores obras-primas de François Truffaut, e que foi também uma das pioneiras do movimento “Nouvelle Vague”: Les 400 Coups / Os Incompreendidos

… ou de relembrar os olhares que alguns dos cineastas mais aclamados do mundo lançaram sobre Paris, já mais recentemente (2006), a partir do filme Paris, Je T’Aime. Um filme constituído por pequenos recortes de várias histórias de amor que, juntos, formam aquela que é uma das mais bonitas cartas de amor à cidade do próprio por excelência.

RETROSPECTIVA | CLAUDE LANZMANN

O realizador Claude Lanzmann, de 87 anos, estará em Lisboa em Outubro, para acompanhar a retrospectiva que a Festa dedica ao realizador, em colaboração com a Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema e cortesia Midia Filmes.

Foi ele o director do aclamado Shoah, um documentário que não utilizou nenhuma imagem de arquivo para narrar a história do Holocausto. Todo o documentário é feito de depoimentos de sobreviventes e de entrevistas com ex-oficiais nazistas, maquinistas e outros intervenientes. Um documentário largamente aclamado pela crítica e que é considerada por muitos como uma das melhores obras cinematográficas sobre os campos de concentração, agora em exibição na Festa do Cinema Francês.

Destaque ainda para o documentário Le Dernier des injustes / O último dos injustos, que vem revisitar o tema Holocausto e fala também sobre Benjamin Murmelstein, o último Presidente do Conselho Judeu do gueto de Theresienstadt, e o único que sobreviveu à Guerra. Uma figura extremamente controversa que lutou durante sete anos contra o nazismo e conseguiu retirar 121 mil judeus do país.

A lista completa dos filmes que compõem a tão merecida retrospectiva a Lanzmann:

– Shoah
– Le Dernier des injustes
– Pourquoi Israel?
– Sobibor, 14 Octobre 1943, 16 Heures
– Tsahal
– Un Vivant qui Passe
– Le Rapport Karski

Paralelamente, no dia 12 de Outubro, haverá uma masterclass com a diretora de fotografia Caroline Champetier.

UM GRANDE CLÁSSICO – CÓPIA RESTAURADA

E porque “A classic is a classic”, e a Festa do Cinema Francês é também um momento para redescobrir as obras-primas que povoam a memória dos amantes do cinema francês (e não só), a secção UM GRANDE CLÁSSICO acolherá a exibição de uma cópia restaurada de Hiroshima Mon Amour (1959), de Alain Resnais.

Trata-se da versão recentemente restaurada pela Cineteca de Bolonha deste que é um filme incontornável da história do cinema e que marcou profundamente o movimento intelectual “Nouvelle Vague”.

A sua primeira projecção oficial aconteceu no Festival de Cannes, em 1959, no qual a obra arrecadou o prémio da crítica internacional. O filme contou também com a colaboração da incontornável Marguerite Duras, que chegou a ser indicada ao Óscar da Academia em 1961 pelo argumento de Hiroshima Mon Amour.

Mais do que um exemplar único na história da sétima arte, este filme é aquilo a que nos atrevemos a chamar um poema cinematográfico. Um casamento entre a literatura e o cinema onde ambos estabelecem uma relação de extrema complementaridade capaz de conduzir o espectador numa viagem surpreendente por entre a arte da palavra e das imagens em movimento.

UNIVERSO DA ANIMAÇÃO

Esta última secção traz o universo do cinema animado à Festa do Cinema Francês, naquele que é o ciclo onde as atenções se voltam, não só para os amantes da língua francesa, mas também para os amantes dos filmes de animação, para as famílias e para os mais pequenos.

Aqui se ganha tempo para ver filmes de animação, e este ano um dos destaques vai para Michel Ocelot, um dos mais criativos autores deste tipo de produções, com a exibição de 4 obras da sua cinematografia, uma delas em antestreia: Kirikou et les hommes et les femmes.

As sessões escolares continuam a ser uma aposta da Festa, como manutenção do seu carácter pedagógico.

A programação completa da viagem em redor da animação francesa:

– Kirikou et la sorcière, de Michel Ocelot
– Kirikou et les hommes et les femmes, de Michel Ocelot
– Princes et princesses, de Michel Ocelot
– Azur et Asmar, de Michel Ocelot
– Le jour des corneilles, de Jean-Christophe Dessaint
– Ernest et Célestine, de Benjamin Renner, Lambert Wilson, Pauline Brunner
– Aya de Yopougnon, de Clément Oubrerie e Margueritte Abouet

Destaque ainda para o CICLO CINEMA E LITERATURA, uma extensão ao Festival que acontece em colaboração com a Universidade de Lisboa e as Câmaras Municipais de Seixal e Setúbal.

E porque nos pareceu que esperar até ao dia 10 era pedir de mais aos nossos leitores, resolvemos antecipar-nos e apresentamos a AVANT-PREMIÈRE FESTA DO CINEMA FRANCÊS já no próximo dia 5 de Outubro, num dos sítios mais giros da tão bem conhecida rua Cor-de-Rosa do Cais do Sodré.

Sim, é isso mesmo que estás a pensar: o glamour da pronúncia francesa vai invadir o Musicbox Lisboa, tendo a RDB como parceira.

No palco brindamos a França com um concerto da Orquestra Libertina de Lisboa com JP Simões como convidado especial e nos discos apresentamos The Toxic Avenger & Cherokee com uma mostra do que mais interessante se passa na cena electrónica francesa, na primeira edição de “The French Beat”.

Os bilhetes já estão à venda e custam só 6€. Podes saber mais na página do Evento.

Para saberes mais sobre a Festa do Cinema Francês, visita o site oficial.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This