rdb_tinconfreport_header

TIN Conference – Reportagem

A conferência sobre tendências, inovação e neuromarketing aconteceu dia 29 de Setembro em Lisboa

A primeira edição da TIN Conference teve lugar no Campus Universitário da Ameixoeira (INP/ISG), em Lisboa, dia 29 de Setembro. Os profissionais interessados em Tendências do Comportamento do Consumidor, Inovação e NeuroMarketing puderam assistir às talks de Miguel Gonçalves, Carl Rhode, Rui Ventura, Fernando Rodrigues, entre outros.

A conferência começou energeticamente com a talk de Miguel Gonçalves, “o grande empreendedor português”, como lhe chama Hugo Soares, organizador da TIN. Miguel Gonçalves, conhecido pelas suas TED talks ou pela SparkAgency, veio partilhar com a audiência a sua recente experiência em Silicon Valley – o maior ecossistema de startups nos EUA. Visitou o Facebook e Google e percebeu que os portugueses não têm menos capacidades técnicas que os Americanos, mas falta-lhes intencionalidade. Naquele ecossistema as pessoas fazem negócio rápido seguindo o lema “done is better than perfect”, enquanto que os portugueses pretendem atingir a perfeição antes do lançamento no mercado. O problema é a calma portuguesa, é o não dar tudo por tudo, é não entregar a alma. Miguel Gonçalves respondeu à crónica de Ricardo Araújo Pereira afirmando: Work hard, Play harder – trabalha 12 horas por dia para no fim-de-semana desfrutares a sério.

O mundialmente conhecido Carl Rhode, sociólogo cultural e observador de tendências, dá workshops em todo o mundo. O último foi em Lisboa para 20 conferencistas TIN. A sua talk foi essencialmente sobre Cool Hunting. Mostrou os problemas que a Europa e América do Norte estão e vão enfrentar com a frase “Now the world is flat”, contrariando a antiga forma pirâmidesca onde estavam no topo. Usou o exemplo dos seus workshops na China para mostrar que os Chineses têm um problema cultural em ser criativos, devido ao constante medo de falhar. Rhode apontou esta como a vantagem competitiva do ocidente: a criatividade e a inovação, a criação de experiências.

 

Rui Ventura, Presidente da APPM, veio-nos falar de tendências, oportunidades e de dois processos de evolução e inovação: o engraxador e o bigode. A talk veio também desmistificar alguns factos e mitos, como “a criatividade é um processo solitário”. Na verdade, na criatividade não há espaço para individualismos. Rui previu que, na óptica do consumidor de informação, a economia do Pull vai predominar sobre a economia do Push: “a TV tem o seu fim à vista”, pois qualquer utilizador pode intervir na produção de conteúdos.

O formador nacional e internacional em NeuroMarketing, Fernando Rodrigues, começou a sua cativante talk afirmando que apenas 2 em 10 novos produtos atingem o seu objectivo; de 10 anúncios televisivos só 4 atingem as expectativas dos consumidores; e que apenas 7% dos consumidores acredita na publicidade! Aliado a isto, o CEO da PsicoSoma explicou que 95% das decisões de compra são subconscientes. Isto significa que é importante perceber o que influencia essas decisões de compra inconscientes. A degustação de chocolate antes da compra foi uma razão apresentada, tal como a música, o cheiro, a cor vermelha, a forma arredondada e produtos que saibam tirar uso da transferência semiótica. O NeuroMarketing também ajuda a perceber se o preço de um serviço está demasiado baixo ou elevado, indicando à marca o preço ideal. O NeuroMarketing faz ainda mais sentido visto que “as estatísticas são como os biquínis: mostram tudo, menos o essencial”, pois a pessoa não sabe avaliar conscientemente se acha um produto demasiado barato, por exemplo.

Estas foram as talks que se destacaram em termos de relevância de conteúdo e oratória. Mas também as outras puxaram temáticas muito interessantes para o debate. Foram elas:

Salomé Areias, analista e consultora de tendências, veio praticar um bocadinho de futurologia afirmando que a Geração Y não gosta de comprar (é preferível o acesso e partilha em vez da posse), que os Millennials confiam mais nas pessoas que nas marcas e que Luxo é viver experiências.

 

Pedro Oliveira trabalha numa agência que combina planeamento estratégico, etnografia e co-criação com clientes. Para ele, os Focus Groups dizem pouco da realidade e para percebê-la prefere dialogar e viver (literalmente) com os consumidores. Este estudo qualitativo é diferente dos outros pois permite que as famílias baixem as suas defesas e se sintam à vontade para partilhar verdades com Pedro, que de outra forma não teria acesso. O objectivo é que Pedro trabalhe estes insights e os apresente aos seus clientes.

Diana Carriço, formada em Design de Produto e especializada em Cool Hunting, explicou alguns fundamentos do design e problemas comuns na comunicação de marcas. Terminou a sua exposição com a apresentação de alguns produtos diferentes e interessantes.

Alexandra Quadros, formada em Ciências Psicológicas e com muita experiência em agências de comunicação e media, estimulou o debate sobre Transmedia Storytelling. Principalmente, da mudança de publicidade tradicional para o digital. A ideia é que são mais eficazes e captam a atenção de mais públicos as estórias contadas através de múltiplos meios, pois expandem a narrativa em diferentes linguagens.

Soumodip Sarkar, especialista em inovação e empreendedorismo, trouxe de forma mais académica até à plateia as características de um produto inovador: algo que cria valor, que dá resultados e que é sustentável no sentido de não ser um one act wonder.

Bem organizada, com bons oradores e parcerias, a TIN Conference contou com mais de 100 participantes, um número bastante satisfatório para uma primeira edição.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This