Artigos de: João Luis Amorim

IndieLisboa 2010

Antevisão do Festival de Cinema Independente que decorre em Lisboa de 22 de Abril a 2 de Maio.


Cinerama

O cinema não é um Museu, ou uma chata contemplação anti-narrativa de Inês Oliveira.


Mas o Actor é um Adereço?

A propósito das múltiplas personagens de Peter Sellers em Dr. Strangelove e como Clare Quilty em Lolita, ambos de Kubrick, uma pequena dissertação sobre o papel do actor no cinema, entre o clássico e o moderno.


Bobby Cassidy: Counterpuncher

Um documentário sobre o famoso pugilista que nunca ganhou o título mundial num discurso directo entre a infância desoladora e o potente contra-ataque esquerdo que lhe deu a fama.


O Homem é uma Máquina é um Homem – 2

Continuamos a análise do Cyberpunk no cinema, desta vez reflectindo sobre os filmes Ocidentais, da Europa até Hollywood. Filmes como “Blade Runner” foram marcos na história do Cinema, tornando-se tão imortais como as suas estórias, influenciando até os Japoneses tanto fisica como psicológicamente.


Anticristo

2010 começa com a explosão misógina de Lars von Trier, um filme que é também um dos mais polémicos de sempre, mesmo não sendo assim tão obsceno e horrendo, uma fábula de terror à maneira do homem que nos deu o Dogma e que agora não quer saber dele.


O Homem é Uma Máquina é um Homem, Parte 1

A Wired escreveu em 93 que o Cyberpunk morreu mas o seu legado é cada vez mais real, saltando das páginas e dos ecrans da ficção para um mundo moderno de total dependência tecnológica. Primeira parte de uma série de dois artigos sobre o Cyberpunk no cinema. Esta primeira parte é dedicada ao extremo cyberpunk Japonês.


Antonio Campos

O jovem realizador de Afterschool em discurso directo, onde nos fala de alienação, escolas privadas, moral e internet, enquanto tentamos descodificar a sua primeira longa-metragem.


Afterschool – Depois das Aulas

A geração YouTube: uma juventude que vive à sombra da imagem física onde os sentimentos se misturam com os pedaços de amadorismo que populam os canais de video da internet nesta ficção quase documental do americano Antonio Campos.



Pin It on Pinterest