Duran Duran @ Coliseu

Regresso ao Passado.

As longas filas de fãs de sempre da banda à porta do Coliseu dos Recreios, deixavam no ar a ideia de que a primeira actuação dos Duran Duran em Portugal, ao fim de 23 anos, estava rodeada de uma grande expectativa. Faltava saber se os duranies iriam corresponder a tamanho entusiasmo à volta do agrupamento de Birmingham.

A entrada da banda em palco foi original mas também indicadora de um certo estilo poseur que caracterizou o grupo nos anos 80. O tema que iniciou as “hostilidades” foi “(Reach Up For The) Sunrise”, o primeiro single de “Astronaut”.  Neste, e em outros temas do último álbum (“Taste the Summer” e “Nice”, por exemplo), tornou-se evidente que o “disco maldito” não é assim tão mau e que as canções funcionam melhor ao vivo.

Os primeiros acordes de “Hungry Like The Wolf”  fizeram a casa ir, literalmente, abaixo e despelotaram a febre duranie outra vez. O público, que já tinha recebido bem o primeiro tema, nem teve tempo para respirar com a segunda descarga da colheita de oitenta: “Planet Earth”. No recinto era a festa total com as canções a serem entoadas a plenos pulmões e dançadas por uma plateia maioritariamente trintona.

No palco, Simon Le Bom era um host dedicado e sempre disposto a flirtar com a assistência feminina. John Taylor mostrava segurança na condução do baixo e Andy Taylor era o protótipo do rocker clássico com cabeleira farta e o cigarro no canto da boca. Roger Taylor fazia o papel do baterista empenhado mas discreto, deixando a Nick Rhodes, qual filho de Warhol, o lugar de líder espiritual da banda, pela sua classe na condução dos teclados e pela sua presença glacial.

Os grandes momentos do concerto, e foram alguns, centraram-se nos hits de 80 e particularmente em “Save a Prayer” (no qual a banda parou para ouvir a assistência cantar), “Sound Of Thunder” (com uma interpretação magistral da cantora Ana Ross para a parelha com “I Feel Love”), “The Chauffeur” (numa interpretação arrepiante que demonstra que mais do que uma canção de “Rio”) e “Notorious” (pelo seu irresistível sabor funky).

No encore, foram debitadas mais quatro jóias de família: “Reflex”, “White Lines”, “Girls on Film” e “Rio”. As duas últimas músicas foram particulamente bem recebidas, como já tinha sido o tema que precedeu o encore: “Wild Boys”.  Da actuação do agrupamento inglês nada ficou esquecido, com a excepção de “Is There Something I Should Know”, que não retiraria nada ao clima de completa loucura que se viveu nessa sala de espectáculos lisboeta antes, durante e após a apresentação dos Duran Duran.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This