pampero_rf_01

Pampero Public Art 2010

Quais são as probabilidades de uma marca investir em Qualidade, Cultura, Arte e Partilha? A Pampero responde, com rituais de degustação e arte em fachadas.

Pampero Public Art 2010 inaugurou no dia 12 de Outubro com o primeiro de dois dos quatro momentos expositivos – “Mural Lisboa em Sta Apolónia” e o Outdoor nas Docas, brevemente será inaugurado outro mural em Lisboa e outro mural no Porto.

Parece missão complexa mas, poder reconhecer o mérito publicitário de uma campanha sem o associar, única e exclusivamente, a uma boa estratégia de Marketing para um retorno positivo e rentável do seu consumo, e/ou resultados, é, sempre foi, obra rara.

Mas enquanto há propaganda há esperança, e aquilo que esta marca está a fazer pela Arte, cá dentro e lá fora é… obra à vista (de todos)!

“A Pampero Fundación existe na Venezuela há décadas, sendo uma forma de Pampero dizer “Obrigado” à comunidade que a apoiou desde 1938. Significou um grande marco na comunidade artística local da Venezuela, continuando ainda hoje a sê-lo em muitos países, como Inglaterra, Itália, Grécia, França, Chile e Portugal”.

“Para além disso, é também uma rede internacional de pessoas ligadas à Arte que contribuem para o sucesso de artistas em ascensão. O apoio a estes jovens artistas é feito de várias formas: facilitação de meios para desenvolverem o seu trabalho, sejam materiais de produção, descoberta de galerias, promoção, divulgação ou integração no meio artístico”.

Além do que já se pode conceber, o “Pampero Public Art 2010 é um projecto com co-direcção artística da Galeria de Arte Urbana da Câmara Municipal de Lisboa em parceria com o P28 nos murais de Lisboa, que procura levar a Arte Urbana ao público em geral, criando condições para acolher regularmente artistas e/ou projectos cutting edge. Tem como principal intenção privilegiar o lugar do espectador, ao tomar a iniciativa de promover um encontro”.

Objectivos imediatos? “O reaproveitamento de espaços/fachadas/devolutos já existentes, com a intenção de valorizá-los, apresentando-os como elementos tão importantes para a obra como os próprios objectos, dando a conhecer e apoiando novos artistas”, explicou-nos Ana Bandeira, a Brand Manager em Portugal.

Assistimos, sentimos, provámos e quisemos saber como Youssef Mrabet, embaixador da marca em Madrid, decifrava a distinção e unicidade que caracterizam o rum Pampero. Afinal é fácil: “O segredo do êxito de Pampero está baseado na utilização das melhores matérias-primas: cana-de-açúcar, água pura, álcool de qualidade, com um intenso processo de maturação e um método único de blending”.

Converter suportes pouco utilizados em trabalhos artísticos. Se esta não fosse uma obra rara e valiosa resultante de uma estratégia comercial mas, sobretudo, artística, então, verdade dita, talvez muitos dos artistas envolvidos não pudessem testemunhar as suas próprias obras, aos seus olhos e aos de um público ainda por conhecer.

Tamara Alves

No meu trabalho utilizo suportes com características multifacetadas – da pintura, à ilustração, da instalação à performance. Sempre me interessei por uma arte “contextual”, que se insere no mundo, abandonando lugares comuns como museus ou galerias, para apresentar as minhas obras na rua ou em espaços públicos.

Gosto que a arte viva, se transforme e se altere juntamente com a vivência frenética da cidade. Não é todos os dias que temos uma “tela” com 70 metros de comprimento por 5 metros de altura para poder pintar… E, com muito gosto, somos as primeiras mulheres a pintar um mural de forma legal em Lisboa.

Acho que é importante o apoio a novos artistas e, do meu ponto de vista, projectos como este só enriquecem a cidade. Há imensos espaços desaproveitados e abandonados que são óptimas oportunidades para dar a conhecer o trabalho de artistas emergentes, e juntar um pouco de cor à cidade.

Portugal ainda é um país onde o artista “passa fome” e oportunidades destas ainda não são muitas; espero que um projecto com esta projecção chame a atenção de outros para que continuem a apostar na arte em contexto social e urbano.

Gostava que o meu trabalho (que é indissociável de mim) corresse o mundo e inspirasse outros. Espero que um dia os artistas a nível nacional possam ter um subsídio para simplesmente “criar”. Mas tenho a certeza que “quem corre por gosto não cansa”.

Vanessa Teodoro

Já andava a pensar pintar algo grande há algum tempo, até porque é algo relativamente novo para mim e adoro desafios. Foi então que apareceu um convite para participar neste evento Pampero Public Art (eu não acredito em coincidências, mas…).

Juntamente com mais três artistas portugueses: Tamara Alves, José Carvalho e Smile, elaborámos um mega projecto para arrasar esta parede em tijolo de 70 metros. Acho estas iniciativas fantásticas, especialmente quando se pode fazer algo útil para a paisagem urbana e para a divulgação dos jovens talentos portugueses.

Nem todos têm a sorte de estarem no sítio certo à hora certa, ou de conhecerem a pessoa certa que faz acontecer, por isso, e por experiência própria, se queres fazer algo teu e em que acredites, e tudo parece impossível, nunca aceites um “não” como resposta, vai a todo o lado e fala com toda a gente. Só acreditando na nossa arte é que as pessoas “certas” nos vão abrir a porta. E se não for aqui em Portugal, será lá fora (que, por mais parvo que pareça, é capaz de ser mais fácil).

Sou uma eterna insatisfeita. Quero mostrar o que faço, aprender com os melhores e crescer ainda mais. Tornar os meus bonecos em algo contagiante. Quero que provoquem um sorriso no miúdo que acabou de sair das aulas e ficou com o coração destroçado porque a miúda de quem gosta riscou o quadradinho do “nem pensar” em vez do “sim, quero namorar contigo”, e no velhote de 87 anos que joga às cartas no banco do jardim pois, de certa forma, uma das minhas bonecas lhe fez lembrar as maminhas da sua mulher.

Ah! E descobri que adoro pintar com latas…

O “Mural Lisboa” divide-se em duas intervenções: a primeira nos armazéns devolutos junto à estação de Santa Apolónia (12 de Outubro) e a segunda no Saldanha (Novembro).

Também no dia 12 de Outubro, inaugurou o “Outdoor”, com a intervenção de Sr. Ricardo no Armazém de Santo Amaro em Alcântara. O suporte é geralmente usado para publicidade ou para propaganda política, mas aqui surge como um suporte artístico, podendo equivaler-se a uma tela, papel ou material escultórico.

O “Mural Porto” na Praça D. Filipa de Lencastre contará com a intervenção de Sphiza e Mr.Dheo, até ao final do ano.

Pampero Especial

Rum equilibrado, amadeirado, com notas de baunilha e doce frutado.
Aroma: levemente amadeirado, ervas, um pouco seco, dicas persistente de baunilha.
Paladar: madeira, doces, mel, frutas frescas, notas de melaço.

Sê responsável: bebe com moderação e usufrui com (muita) inspiração.



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This