M.A.N.D.Y & Booka Shade

Let´s get Physical again!!!

Nós já tínhamos avisado que a Get Physical estava a dar cartas (ver edição nº30 da RDB), e o que aconteceu na noite de 13 de Julho na discoteca de Santa Apolónia foi a confirmação por terras lusas daquilo que é sabido há muito por terras da Baviera. A Get Physical é uma das, senão mesmo a, editora do momento. Depois de ambos se terem apresentado no Lux no mês de Fevereiro (M.A.N.D.Y.) e Março (Booka Shade), dois dos principais fundadores, juntamente com DJ.T, realizam uma nova aparição, desta feita em conjunto, que ficará na memória de todos aqueles que presenciaram o espectáculo.

Os Booka Shade de Walter Merziger e Arno Kammermeier apresentaram-se em Live Act ao contrário do que tinham feito há uns meses atrás. A diferença foi notória, sem dúvida. Em Dj Set a noite acabou por ser uma noite igual a tantas outras que acontecem no Lux, em live act a conversa é outra. Com Walter Merziger na bateria electrónica delirante e Arno Kammermeier nos sintetizadores, caixa de ritmos e piano, os Booka Shade provam que para elevar um multidão com ritmos de dança não é necessário simplesmente colocar discos com batidas fortes. É possível reproduzi-las ao vivo e transmiti-las em tempo real.

Mesmo com um começo relativamente low profile, o entusiasmo da pista de baixo rapidamente foi crescendo, contagiado pelas melodias perfeitas que eram debitadas pelos instrumentos desta dupla. Nesta altura foi uma descarga das músicas mais calmas do álbum “Memento”, editado este ano, tiveram tempo ainda para tocar o épico dos seus companheiros M.A.N.D.Y., «Oh Superman», levando a multidão a um estado de transe.

À medida que o tempo  foi passando, surgiram as malhas mais desconcertantes, com nota de destaque para «Something Physical» e «S.T.A.R.R.Z.» do primogénito da dupla, seguido do electrizante «Pong Pang»  e «Body Language» track of the year de 2005 em… Ibiza (produção de M.A.N.D.Y. vs Booka Shade). No final, surgiu o tão esperado «Madarine Girl» em versão electro, levando a multidão ao clímax. Nem parecia que as estrelas da companhia iam actuar de seguida, pois muito do público abandonou a discoteca já satisfeito com o espectáculo que haviam presenciado.

Os M.A.N.D.Y. surgiram com o seu set eclético, à semelhança do que tinham feito em Fevereiro. Começaram por um minimal com subidas a puxar já mais para o electro, quase que roçaram muitas vezes o techno, pelo meio passaram temas mais comerciais como o «Ny Lipps» dos Soulwax ou temas mais deep como «Dump Days» de Scott Fergunson (tema presente no Japonese Gigolo Inferno de DJ Hell). O final do set foi talvez mal escolhido pela dupla, não pelos temas, mas pela parte em que foram inseridos. Depois de uma hora e meia de tocarem malhas com subwoffers electrizantes, tiveram um quebra ao tocarem temas de deep-house. Quando todos se preparavam para abandonar a discoteca realizaram uma aparição final para apenas um tema que chegou para que todos fossem de sorriso para casa, um malhão techno a roçar o Trance bem ao estilo dirty da Get Physical. Era isto que todos estávamos a espera…

Os M.A.N.D.Y são realmente bons e muita da ascensão da Get Physical está relacionada com o seu nome, mas na noite de 13 de Julho o que ficará na memória dos presentes será sem dúvida a actuação do BOOKA SHADE. Os caminhos das electrónica parecem estar a enveredar para aquilo que eles fizeram, um live act poderoso com instrumentos que debitam energia e uma presença em palco bem ao estilo de uma rock band, mas isso já um discussão que tem pano para mangas…

Quem não teve a oportunidade de presenciar esta noite memorável poderá ver os BOOKA SHADE a 13 de Agosto no Anti-Pop Festival em Viana do Castelo…

Nós desejamos que voltem ao Lux e depressa e se trouxerem o Dj T de novo também é bem-vindo!



Também poderás gostar


Pin It on Pinterest

Share This