“Adeus, por enquanto” | Laurie Frankel

“Adeus, por enquanto” | Laurie Frankel

O amor, na terceira pessoa

Ao segundo livro, a norte-americana Laurie Frankel consegue surpreender com um romance inovador que tem, como principal premissa, a reflexão sobre a natureza da própria existência, tocando em sentimentos como a perda e a morte. No meio de um turbilhão de acontecimentos, a escrita escorreita de Frankel eleva o amor ao expoente da sua essência que, com o auxílio de uma ferramenta informática, se revela o sentimento mais arrebatador entre dois seres que se completam – ou na junção de diferentes dimensões.

Numa época em que a tecnologia se afirma como um elemento incondicional à vida, Sam Elling, um dedicado informático que trabalha numa agência de encontros, cria um algoritmo que tem como maior objetivo permitir encontrar a alma gémea. Esta revolucionária técnica faz com que Sam consiga guiar o seu coração até Meredith, sua colega de trabalho, mas enquanto o amor se torna a sua razão de viver sofre o forte revés de perder o emprego. Mas os infortúnios não ficam por aqui: Livive, avó de Meredith, morre de forma algo inesperada e a tristeza e a dor ocupam grande parte da alma da namorada de Sam, que deixa o vazio da perda apoderar-se de si.

De forma a tentar combater a tristeza de Meredith, Sam investe o tempo livre que o desemprego lhe confere e aposta num novo programa informático. Da investigação resulta um algoritmo que gera uma simulação online de Levive, tendo como ponto de partida o registo do seu correio eletrónico e o perfil do Facebook.

Surpreendentemente, Levive volta “à vida” em formato virtual e Meredith volta a apaixonar-se pela presença do espetro da sua avó e mata saudades via internet. A invenção de Sam é, mais uma vez, genial, e para o casal esta deve ser partilhada com todos. Dessa ideia nasce a “RePousa”, uma empresa que permite a comunicação – virtual claro – com entes queridos, entretanto falecidos.

Inebriados com as múltiplas funcionalidades do algoritmo, algumas pessoas fazem destes reencontros a sua vida, servindo para mais do que uma última despedida: o adeus torna-se uma palavra, de novo, a evitar.

Utilizando um misto de linguagem mais técnica e a paixão de uma escrita leve e direta ao coração, Laurie Frankel consegue, com este “Adeus, Por Enquanto” (Bertrand Editora, 2013), um romance mordaz, escrito na terceira pessoa, repleto de humor e revestido por uma narrativa competente que consegue ser um misto de racionalidade e emoção, de sensibilidade e magia.

De forma simples e assertiva, Frankel leva o leitor a refletir sobre questões como a perda de um ente querido, a superação da mesma e a importância que a tecnologia tem nos nossos dias, época em que os extremismos da utilização online podem ser sinónimo de perda de identidade e cidadania e onde a verdade passa a ser aquilo que um computador debita em detrimento da vida real, sem bits, bytes ou passwords encriptadas.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This