rdb_artigo_jesus

Jesus no Maxime

Jesus, the Misunderstood no Maxime. A ressurreição na Praça da Alegria.

Lisboa, 14 de Março de 2009. Uma semana depois do início da tour no Costello Club em Madrid, grandes expectativas rodeavam o lançamento, com o apoio da netlabel Merzbau, do EP “The Crooners Are Dead”, terceiro registo dos lisboetas Jesus, the Misunderstood.

Para a abertura, o cabaret da Praça da Alegria recebeu os madrilenos Autumn Comets, que chegaram à capital portuguesa com a indie-folk do seu primeiro LP, “Parades”, na bagagem. A compenetração, virtuosismo e gratidão – arriscando, de vez em quando, um tímido obrigado na língua de Camões entre as várias intervenções em castelhano – não passaram despercebidas a uma sala concorrida e bem composta de público, que começou a manifestar algum entusiasmo após a primeira surpresa da noite: a interpretação de «The day after tomorrow», juntando em palco os Autumn Comets e os Jesus, the Misunderstood, em espírito de irmandade ibérica.

Tal ligação fraternal, mostrou-se, na verdade, o conceito-chave de toda a segunda parte. A visível cumplicidade que une Luís Nunes (também conhecido como Walter Benjamin, com o álbum “The National Crisis” lançado no ano passado) a Manuel Dordio, Pedro Girão e Miguel Pereira foi o motor principal para o bom andamento do espectáculo.

Trajados a rigor como autênticos crooners, de fato e gravata, os quatro elementos fizeram-se acompanhar desde o início – um «Requiem for a Crooner» na voz de Luís Nunes – por Luís Pereira e da inglesa Becky Chilton.

A alternância entre temas novos, como o de abertura e recordações do álbum “Thinking too much increases the risk of smoking”, bem como a flexibilidade e polivalência com que os elementos da banda foram trocando de instrumentos revelaram-se ingredientes centrais para que cada momento fosse vivido como uma verdadeira festa.

Se o clima alegre já existia desde o início – o EP recém-lançado marca uma viragem nesse sentido, afastando-se das ambiências lo-fi para abraçar o psicadelismo nas guitarras e as vocalizações com filiação nuns Beach Boys – teve o seu auge em outra das surpresas da noite: uma muito enérgica cover de «Standing in the way of control», dos Gossip. Becky, a convidada, abandonou por alguns minutos a sua posição discreta nos coros e, seguindo as pisadas de Beth Ditto, assumiu o protagonismo.

Com igual entusiasmo, superada a hesitação inicial, foram recebidos os falsetes de Manel em «Bunnyranch», e a passagem de baterista a vocalista de Miguel em «Waiting for 10 days» e «Don’t waste your time», que se mostrou tão à vontade no centro das atenções quanto atrás dos pratos.

No muito celebrado encore, a articulação entre o passado recente e um futuro promissor não poderia ser mais expressiva: à mais antiga «April» seguiu-se o hino «The Crooners Are Dead», cantado também pelos Autumn Comets, numa recriação do cameo da primeira parte que fechou o palco com uma sensação de proximidade calorosa dentro e fora do palco.

Um bom presságio para o regresso do quarteto que, ao contrário dos crooners do título, demonstrou que não poderia estar mais vivo.



Também poderás gostar


There are no comments

Add yours

Pin It on Pinterest

Share This